18 de janeiro de 2011

Meu pai e a discórdia

Meus pais estão passando por um tipo de Guerra Fria do Paisagismo, e eu me senti afim de registrar isso no BC por um motivo ainda desconhecido. Talvez para servir de prova à polícia caso isso tome proporções extremas. Afinal de contas meu pai é um sociopata em potencial. Minha mãe, quando o assunto é planta ou decoração da casa, também não fica muito consiliadora. De qualquer forma, vale o registro de mais uma Guerra Fria em família, nunca deixa de ser divertido.

O problema começou há anos atrás quando meu pai resolveu nascer em uma colônia alemã em RS. Ser criado assim vá lá, mas permanecer colono após se mudar para SP é suicídio social. Queria deixar claro que sou fortemente influenciada pelo meu desgosto com os gaúchos de minha família, portanto, ignore alguns comentários avulsos de raiva instantânea. Meu pai tem necessidade de ser cercado por mato, não jardins, mato. Tudo tem que ser verde, muito verde, úmido, fechado e longe do mundo. Eu avisei que ele era um sociopata. Então, o que ele fez? Anos atrás ele decidiu que nosso lar não seria doce se as grades da frente continuassem sendo grades, não, elas deveriam ser árvores, cipós, esconderijo de bichos provavelmente nojentos. Ai ele arranjou aquela planta que tem uma flor pequena e lilás. Conhece? Não sei o nome, mas sei que é uma praga e isso me basta.

Se tem uma coisa que herdei de minha mãe foi a cara de cu quando desprezo alguma coisa. A planta começou a crescer desordenadamente tomando conta da frente de nossa casa por completo. O Satã em forma de vegetal chegou a se enrolar nos fios do poste na calçada, eu estava vendo a hora que a Eletropaulo viria aqui nos prender por nossa planta ter provocado incêndio em todas as casas da rua. Se é que restasse algo de nossos corpos carbonizados. "Mas era uma planta bonita", diria meu pai no inferno. O pior é que a peste verde invadiu o terreno alheio e, claro, incomodou os vizinhos que varrem as folhas e flores várias vezes por dia. Fora os mosquitos que essa maldição acumula. Sim, isso mesmo, e a dengue. Mas o sociopata segue achando lindo.

Um crítico erro de DNA faz com que meu pai pense que ele é o centro do universo e que a verdade absoluta lhe pertence, então ele protege a planta como se fosse sua vida e não permite que minha mãe arranque ela pela raiz. Só que enquanto meu pai fala, a única coisa que ela escuta é: Blá blá blá blá. Naturalmente a planta perdeu metade de seu espaço conquistado e agora se sente intimidada pela tesourona enferrujada de minha mãe. Dona Mãe se empolgou tanto que chegou a comprar um par de luvas de jardinagem novas e não se desconecta mais da internet atrás de informações diversas sobre plantas e cuidados com as mesmas. Até se viciou na Mini Fazenda do Orkut para aprender mais sobre agricultura também.

Eu não tinha motivo algum no início do texto para publicá-lo aqui, no BC, mas agora me veio à cabeça uma luz dizendo que, sim, eu tenho motivo. Primeiro eu gostaria de perguntar se alguém conhece a planta e se existe veneno potente contra o Mal encarnado em meu portão ou qualquer macumba que funcione sem deixar rastros. Segundo eu queria esclarecer, mais para mim mesma, que eu tenho todo o direito de ser um tanto amarga outro tanto ressabiada com a vida, já que meu pai é uma pessoa realmente difícil de se lidar. Terceiro, e por último, essa publicação serve mesmo como prova caso eu enforque meu pai com os caules de sua planta preferida.

NOTA:
As inscrições para a Cápsula 2012 continuam ;)

13 comentários:

Janaina Barreto disse...

Que praga, hein?
Cara, eu conheço essa planta... Ela cresce aos montes no fim da minha rua onde tem um espaço aberto cheio de mato mesmo ¬¬'
Vamos dar as mãos porque eu compartilho da sua desgraça. Aqui em casa é minha vó. Tudo que é mato ela deixa crescer, mas estou no lucro porque minha mãe arranca sem querer saber de cara feia. kkkk

Boa sorte aí. ;-P
Beijo ;*

Michele disse...

Querida, obrigada pelo comentário no meu último post! Achei "FOFO"! haha Lindo mesmo! :)

Olha, a única planta que conheço que dá uma florzinha colorida e se enrola em todo lugar é a trepadeira - nome vulgar da planta! Minha avó tinha na chácara e elas fecham tudo por onde se enrolam mesmo!

Espero que tudo se resolva antes do seu pai ser enforcado pela tal! haha

Beijo grande!

Renata disse...

Olha eu não sei o nome dessa praga aí não mas o que aconteceria se um dia seu pai acordasse e essa planta dos infernos não estivesse mais lá?Sumiu, desapareceu, se escafedeu para todo o sempre!

Faz o seguinte: corta em pedacinhos, queima numa fogueira e depois de tudo destruido volta para cama como se nada tivesse acontecido. Não esqueça das luvas!Impressões digitais são um saco quando se quer cometer crimes.

Alice Voll disse...

Cara de cu quando desprezo algo, oba sou pró!
O satã em forma de vegetal! sajsnajnsjiansansiansa #rialto
Eu acho que toda casa deve ter planta, mas daí a morar num jardim botânico...

amanda. disse...

HAHAHA AI GENTE DESCULPA mas eu rolei de rir desse post.
ate li em voz alta pro maridão.
ele nao riu.

mas enfim, da uma caçada em lojas de jardinagem aí, deve ter algum produto pra voce jogar ~escondida~ e a planta morrer.
digo isso porque (la vem a historia) uma vez minha mae comprou um spray que matava matinhos. a frente da nossa casa era de brita e vivia aparecendo plantinhas, e mamae bem dondoca que é jamais iria sujar as maos arrancando aquilo né? e comprou aquele spray no mercado mesmo. eram duas borrifadas e a planta tava seca em questão de um ou dois dias.
a parte engraçada era que havia tres vasos com flores lindas na sala e minha irmã bem-intencionada foi la e detonou as florzinhas achando que aquele spray era algo pra VITALIZAR as plantas (ja que no rotulo tinha fotos de flores lindas. ps - a gente morava no japao, claro que o produto era japones e ninguem sabia ler).

bom, mas é isso. produto existe, ate porque na cidade de onde eu vim, é proibido PODAR a arvore em frente a sua casa (a prefeitura faz isso), quem dirá derrubar. dai o que a galera faz quando a arvore é um estorvo que so faz sujeira? taca veneno ate a bichinha morrer. dai liga pra prefeitura e eles vao la e arrancam.

beijos (e boa sorte)
:)

gabs. disse...

ô Del, nem posso te ajudar, não faço ideia de que planta seja esta.
eu sou louca para que cresça a hera que minha mãe tanto tenta plantar, mas ela morre depois de se espalhar um pouco pelo muro.
:(

o que é está cápsula, fui ler o post e não entendi como funciona.
haha, áimimula, tsc.

Thais disse...

Ah, não fala assim do seu pai vai?! Ele é seu pai! :D Quer dizer, eu não estou na sua pele. E felizmente as plantas que tem aqui em casa são pequenas, dá pra cuidar sem virar "satã" em forma de vegetal! Hehehe. Também né, moro em apartamento! Mas já vi uns apartamentos aqui que dão nojo de tanta planta nas varandas (plantas mal cuidadas, claro).

http://thaisacorrea.com/b/

Clara disse...

Que planta é essa, gente? Acho que eu me daria muito bem com seu pai, adoro verde e arbustos invasivos! Uma poda não faz mal pra ninguém, mas não precisa matar a pobre...

Hilário! ;P

sarah b. disse...

hahahhahahah
Que texto amável gente ! haha
Jardim, flores bonitas para enfeitar, tudo isso acho ótimo e maravilhoso. Porém sem dúvidas também não iria curtir nem um pouco ter uma planta feia que sobe pelo o post na frente da minha casa.
Seu pai poderia abrir mão mais um pouco desse passado colonial mesmo né !
Besos.

Luiza disse...

hahaha putz, tenho que concordar com vc. essas plantas são realmente uma praga. eu não sou muito fã de plantas, mato, então se vivesse essa situação provavelmente tentaria um jeito de tirá-la. pena que seu pai ama tanto a dita cuja! :P

Laysa Boeing disse...

Nossa, eu amei esse blog e ando sempre aqui. Por isso tenho selos pra você lá no meu blog.
^^

Anna Vitória disse...

Que situação, hein? Imagino o aborrecimento da sua mãe, e o teu também, claro. Boa sorte com a praga! Arranja um jeito de colocar um fim nela escondido, um controle biológico, sei lá... haha
Adorei o projeto da Cápsula 2012 e já me inscrevi!
beijo

Manie disse...

"Se tem uma coisa que eu herdei de minha mãe foi a cara de cu quando desprezo alguma coisa"

meu pâncreas, meu estômago e mais qualquer coisa dentro da barriga se contorceu ao ler isso... são 02h20 da manhã, não posso rir alto! caso eu morra de rir uma hora dessas, minha mãe vai até aí pegar um pedaço desse caule pra me enforcar... assim, digamos, haverá um homicídio comunitário.

Postar um comentário