11 de fevereiro de 2012

Jane Austen me persuadiu

Estou participando de um clube da leitura no Facebook, e o primeiro livro votado por todos os membros foi o Persuasão, da senhora Jane Austen. Achei muito legal, muito chubiruba, porque queria mesmo ler alguma obra dela; a moça romântica e elegante que conquistou muitas mulheres com seus livros e - sem querer - com seus filmes também. Decidi recomeçar meu vício por leitura em 2012, o ano excêntrico, e nada mais perfeito do que uma escritora aclamada, que oferece promessas de suspiros profundos e muito cu doce amor. Por mais que eu repudie moças indefesas, que sofrem de paixonite crônica, não posso negar que tenho um lado cor de rosa cheio de querer mimos e desmaios fictícios. Não que eu esteja coligando a persona de Austen as mulheres com baixa imunidade a oxitocina. Não que eu não esteja.

Que seja.

A Del Santana indicou, via Twitter, que eu falasse sobre Dona Austen. Calma, gente! Eu também fiquei mei'assim quando descobri que haviam outras Del por aí no mundo. Ainda não descobri o plural de Del, mas minha convenção de especialistas da Marvel está trabalhando arduamente nisso. Aceitei a sugestão dela por dois motivos: 1) eu adoro quando leitores sugerem textos; e 2) Eu preciso começar a falar de livros (se como entendesse do assunto) para me sentir mais na moda. É tendência resenhar livros em blogs agora, né. Apesar do Bonjour Circus ser um blog démodé, necessito levar o leite para as crianças todos os dias. Resumindo: porque sim.

Comecei a ler Persuasão bem animada, incentivada e com boa vontade. Uau! Estou conhecendo Jane Austen! Bem aquela coisa de desavisados mesmo. Logo de cara percebi que a linguagem culta inglesa não condiz com minha falta de atenção no momento. É aquela velha máxima do Transtorno de Ansiedade roubando o resto de dignidade das pessoas. Mas continuei lendo e fui conquistada por algumas citações aqui e ali.
Metade da atração sentida por cada uma das partes teria bastado, pois ele não tinha nada que fazer, e ela não tinha praticamente ninguém para amar, mas a confluência de tão abundantes qualidades não podia falhar.
Isso foi para o meu livro de citações sem eu saber ao certo a razão. Mas foi. Depois disso, prestei ainda mais atenção na narrativa que engloba todos os pormenores de Anne. Gostei do fato d'ela não estar gozando de plena juventude, desmistificando o clichê de que só as jovens virgens de bom coração se apaixonam. A coisa começou a desandar, porém, quando ela se enrosca em um Bem me Quer, Mal me Quer com o chuchu Wentworth. Infelizmente sou da banda que assistiu Orgulho e Preconceito antes de conhecer as obras literárias, ou seja, estou obviamente condenada. Estou obviamente presa a imagem de Matthew Macfadyen para qualquer personagem masculino dela. Matthew não tem expressões, logo, Wentworth não conquistou meu desarranjo intestinal amoroso.

Tsc, ingleses...

É uma lástima, com certeza, estar castrada antes mesmo de saborear a supremacia Austen, mas acho que assim quis a Providência. Sei que li a obra com olhos modernos, e que isso simplesmente não funciona. Mesmo assim, foi inevitável não me irritar com o joguinho sútil entre o mal sucedido casal. O arrependimento de Anne, sua fraqueza diante dos fatos e claro, a persuasão rondando todo o enredo.

O segundo volume do livro fica um tanto melhor; com discussões mais proveitosas, que descrevem detalhadamente os pensamentos da época. Pude perceber melhor a ironia da autora e consegui me divertir com isso. É um grande diferencial para um escritor, ainda mais em sua época. Mas, com um cotidiano trivial, Persuasão não cativou minha atenção. Só terminei de ler o livro por causa do clube de leitura; se não fosse isso, eu teria o abandonado logo na metade do primeiro volume. É trágico, sei disso. Vocês ficariam surpresos se eu dissesse que estou curiosa para ler outras obras dela? Acho que não. Já devem saber que adoro dar murro em ponta de faca. Finalizo minha análise (ah tá!) com a citação que deveria ter encerrado a história, mas Jane foi teimosa e fez mais águas rolarem com o desenrolar da trama, até que o casal resol... ZZzzzzzZZzZzZz
Não diga que o homem esquece mais depressa que a mulher, que o amor dele morre mais cedo. Eu não amei ninguém, se não a ti. Posso ter sido injusto, posso ter sido fraco e rancoroso, mas nunca inconstante. Vim a Bath unicamente por sua causa. Os meus pensamentos e planos são todos para si.
Gostando ou não, isso é o que todo mulher quer ouvir. Ponto positivo, Menina Austen!

9 comentários:

Andreia disse...

Eu cá pertenço ao clube daqueles que já leram os livros dela (e viram os filmes também) e ainda assim não conseguiram captar toda a emoção que os livros da Jane Austen devem ter.

Talvez eu esteja a ficar "meio" insensível, mas posso argumentar com absoluta certeza que mais depressa fico emocionada ao ler pela quinta (ou será a sexta?) vez 'O Conde de Monte Cristo' que com qualquer livro dela.

Alias, eu devo ser a única pessoa no mundo que leu "O Monte dos Vendavais" e passou o livro inteiro sem entender patavina do que estava a ler. Seria cómico se não fosse tão trágico.

Ah, eu faço resenhas no meu blogue, não porque os outros fazem, mas porque eu fiquei tão 'entusiasmada' com o livro que fiquei com uma enorme de falar dele para o mundo inteiro. @_@

Quer dizer... Eu li/vi "Orgulho e Preconceito", e até gostei. Mas não ate ao ponto de entrar para a minha lista de favoritos. :|

C'est la vie... :P

Beijokas

OBS: Acho que voltei a divagar demais! D:

Ana Luísa disse...

Realmente a linguagem culta inglesa atrapalha um pouco no começo! Eu também me distraía MUITO fácil. O primeiro que eu li foi Orgulho e Preconceito, em janeiro de 2011. E eu não tinha visto o filme! Quando vi me apaixonei eternamente pelos olhinhos azuis e tristinhos de Mr. Darcy.
Agora estou lendo Emma, e não se é porque eu fiquei mais acostumada, ou se é porque a linguagem tá mais fácil. Enfim, quase não me distraio!
Emma é bem legal, Del! Arrisco dizer, mas agitadinho!
Persuasão eu ainda não li, mas o próximo que quero ler de Jane é esse!
Beijos!

Del Santana disse...

Bem, por enquanto o plural de Del está definido como Del + 1, né? hahaha De qualquer forma, aguardo, ansiosamente, a resolução desse problema :P

Del, acho que você terá que criar uma nova categoria aqui no blog, para as suas resenhas, sério. Ainda bem que sugeri esse tema, pois gostei demais do que li (o que não é novidade, já que gosto de todos os seus textos) :).

É a primeira vez que leio algo interessante sobre a Austen (é que sempre leio "ela é linda, sou fã dela, os livros dela são lindos blablabla"), e, mesmo que ela não tenha recebido aqui a coroa de rainha das escritoras e mimimi, permaneci com a curiosidade de conhecer alguma obra dela (tá, só não sei se começarei por Persuasão).

Ah, vejo muitas fotos das apaixonadas pela Austen com o livro Orgulho e Preconceito. Será que começo por ele? Ainda bem que não assisti a esse filme, hahaha.

Beijo, Del

Vanessa disse...

Ai, Wentworth é um chuchu hahah como vou terminar de ler o livro agora?? hahaha Eu gostei muito do seu post. Sei que não curtiu o livro como esperava, mas vejo que tirou algumas coisinhas bem interessantes de lá. E o fato da Anne não ser uma mocinha garotinha foi o que mais me impressionou no livro. Tomara que você consiga ler Emma. Esse sim, hein?

nothingbutasong disse...

sou suspeita pra falar da austen !!! hahaha

ah eu queria estar em um clube de leitura :(

Luciana Brito disse...

Lembro que fiquei curiosa para ler esse livro depois que assisti "A Casa do Lago" e vi que eles citam esse livro no decorrer da história. Mas até então não li nada da Austen. Nem comecei a ler esse ainda, e olhe que também sou do grupo. Quero só ver no que isso vai dar.


E quanto ao Matthew e seu Mr. Darcy com cara de cachorro sem dono, só posso dizer que ele é muito fofinho kkkkk Sou suspeita para falar, acho ingleses tão tudo de bom. Sem falar do sotaque, que adoro.

Adorei o texto!

L.H.C disse...

Acho que eu li Persuasão igual com você; eu gostei do Frederick; acho os livros de Jane Austen muito docinhos demais, mesmo assim eu gosto, é um tipo de romance que não faz a pessoa querer vomitar. E a ironia dela é muito bacana tbm. E eu sou do time que leu Orgulho e Preconceito, e sempre, sempre tá procurando um novo Mr. Darcy nas histórias de Austen.

Flá Costa * disse...

Jane Austen é sempre Jane Austen né?
Eu sou superfã de literatura, amo muito, e Jane Austen foi umas primeiras autoras que eu me arrisquei a ler em inglês. Queria ver exatamente, entender cada escolha de palavras e tal. No começo é difícil, mas depois engrena! rs.

Beijos

Anna Vitória disse...

Nunca li Persuasão, Del, mas sou completamente apaixonada por Orgulho e Preconceito. Sou muito fã da Jane Austen, a narrativa dela me encanta, acho a ironia dela uma delícia e Orgulho e Preconceito é o livro que melhor reúne tudo que ela mais sabe fazer. Pode ser que eu seja mais vulnerável à todo esse mar de rosas, mas confesso que em algumas partes do livro meu coração chegou a bater tão forte que a sensação que tinha era que eu mesma estava ouvindo uma declaração de amor do cara mais apaixonante da literatura, Mr. Darcy. <3
Leia e depois me dê seu veredicto.
Beijo!

Postar um comentário