11 de março de 2012

Como vai o Tony?

Ele vai bem, obrigada! Para quem chegou agora no Bonjour Circus e não sabe do que se trata, acesse a página O circo ou o marcador "cadê meu dono?", assim você fica por dentro da história.

O que posso dizer? Tony está em casa, o adotamos em definitivo e o Benjamin adora sua companhia. Quando o levamos para o banho e tosa, meu filhote sente saudades do braquelinho. Aliás, é uma festa quando minha mãe vai buscá-lo no pet shop; só falta ele subir nas nossas cabeças de tão contente em nos reencontrar. Talvez ele pense que será abandonado de novo ou que perdeu mais uma vez a (nova) família. Vai saber!

A única coisa que ainda me incomoda é a procedência dele; fico pensando na família que o perdeu, no que eles fazem ou fizeram para encontrá-lo, se sentem falta e essas coisas. Sei que fiz o possível para divulgar que eu havia o encontrado, mas sei lá... convivo com a sensação de que poderia ter feito algo mais, mesmo não fazendo ideia do que há para se fazer ainda. Fico tranquila, por outro lado, em saber que aqui em casa Tony é muito bem tratado. Já o consideramos da família e ele se sente a vontade no meio dos outros cachorros.

Tivemos alguns problemas de socialização entre ele e o Tobias (meu outro cachorro); os dois andaram brigando. Depois de sustos, broncas e castigos os dois estão forçando uma amizade pelo bem da coisa. Esperemos. Houve também uma briga entre ele e o Benjamin (por causa de um osso), mas como a culpa não foi inteiramente deles - teve dedo do meu pai - deixei o castigo passar batido. No geral, ambos se dão super bem, vivem brincando de tudo que é jeito e bagunçando a casa juntos. Tentei gravar alguns vídeos para postar aqui, mas Tony não pára quieto; fotos também dão um belo trabalho para sairem bonitas.

Quando irritado, ele pula tão alto que quase atinge meu rosto (tenho 1,70 de altura); quando está com fome também, adicionando mordidas e rosnados. Costumamos o chamar de "cachorro de circo", ele tem jeito para isso! Tony é uma figura, arranca gargalhadas de todo mundo em casa e volta e meia tenta dar uma escapada para a rua. (para matar as saudades?)

Minha mãe costurou uma roupinha para ele porque segundo ela "ele está espirrando demais". Não sei qual seria minha reação se os verdadeiros donos aparecessem. Ficaria aliviada, pararia de pensar e me preocupar com esse assunto, mas sentiria uma saudade imensa desse pequeno grande aparecido!

9 comentários:

Andreia disse...

Eu conheço essa sensação. Também, achei uma cadela - ou melhor, ela é que nos achou a nós - e sempre vivíamos com a sensação de que iríamos acordar um dia e ela não estaria la. Mas se numa cidade pequena como a minha, os donos não apareceram, menos o foram numa grande. Acho eu. o.o

Mas talvez tenha sido melhor assim. talvez a vida que ele vivia antes não era a melhor, talvez fosse maltratado (que foi o que aconteceu com a minha -.-)...

Laura K. disse...

Ele é muitoooooooo fofinho gente! Olhe que não sou muito fã de cachorros, sou louca mesmo por gatos. Mas o Tony é lindo!

Thay disse...

Se eu estivesse na sua situação, provavelmente teria os mesmos pensamentos. Pq me colocando no lugar do antigo dono, sei o quanto estaria sentindo falta e preocupada com meu cachorro. Se está em alguma casa, se está bem... enfim, é difícil. Mas acredito que no caso do Tony ele tirou a sorte grande! Encontrou uma família amorosa e de quebra até ganhou alguns parceiros de brincadeira! o/
E ele está uma graça nessa foto! Se o seu problema em fotografá-la é sua energia, o meu é o pelo muito escuro: quase não dá pra ver os olhinhos do meu poodle nas fotos, quase sempre só a língua vermelha é que aparece. :)
=*

Ba Moretti disse...

Não sei exatamente qual seria a minha reação. Aquela luta entre a razão e a emoção sempre pega né? Mas enquanto isso o negócio é aproveitar esse poço de alegria que super dá vontade de abraçar <3

Nina Vieira disse...

Delgadina, sua linda (Delgadina é personagem de García Márquez, relaxa).
Minha mãe encontrou um terrier na rua, amou o bichano e levou para casa. É uma graça, se deu super bem com o outro cachorro, o Constante. Vivem brincando e brigando o dia inteiro. Fora feitos um para o outro.
E o nome dele é Fiuk, igual ao filho do Fabio Jr. Não pergunte.
Beijos.

L.H.C disse...

Olha, de vez em quando aparece um gatinho lá em casa, e a gente se apega tanto quanto com os que já são da família. Ainda bem que o Tony se dá bem com os irmãos adotivos.

Pri Bragança disse...

Que lindeza esse Tony!! Então, essa situação é realmente difícil, pois a cada dia que passa, mais você se apega. E, realmente, não tem como resistir a todo esse charme.

Pablo disse...

sabia que foi através do banner sobre o tony que eu cheguei até seu blog? achei muito bacana da sua parte tê-lo criado com tanto carinho! ele é realmente muito lindo!

uma vez apareceu um cachorro em casa também... ficou pouquíssimos dias e depois sumiu. chamamos ele de bartolomeu! não sabemos até hoje de onde veio e pra onde foi. deixou apenas a saudade de suas fofurices.

Jana disse...

Problemas de socialização... Entendo bem! Aqui tivemos problemas e isso me rendeu um cicatriz lindíssima de 5 dentadas no pulso. .-.

Você teria coragem de devolvê-lo, Del? Eu, no seu lugar, saía arrancando todos os folhetos colados pela cidade pra que não houvesse mais possibilidade de alguém procurá-lo. xD Mas duvido que aconteça, afinal, já faz tempo, né?

E #comoassim você menciona uma roupinha e não posta uma foto do Tony vestido?! Isso não se faz. u.ú

PS: ele tá muito peladinho nessa foto... A tosa foi violenta, hein. '-'

Postar um comentário