8 de junho de 2012

Não vejo a hora...

... de ter um lar para chamar de doce. Uma casa ou apartamento, tanto faz, mas que tenha harmonia. Um lugar que tenha a minha personalidade e a de quem viver comigo. Tudo no lugar certo, do jeito certo, sem improvisos. Seria ótimo se tivesse um espaço para o Benjamin brincar, mas também ficarei contente se a localização for em um bairro bom de passear. Nossa, e como ficarei contente! Que haja tranquilidade para dar e vender. Que haja porta bonita para colocar um tapetinho de boas vindas. Que haja muito amor.

... de ter um banheiro para chamar de meu. Ah, como é irritante dividir banheiro! Ainda mais quando a idade disso já está longe, e o companheiro de higiene é seu pai. Mulher com mulher, todo mundo sabe, não há problema algum, mas homem? Fim da picada. Não aguento mais ver meus objetos pessoais fora do lugar ou sendo usados. Se ainda fosse minha mãe, vá lá. Mas há tempos que andam querendo transpassar o limite da tolerância. E já que vaso ruim não quebra, não vejo a hora de plantar minha natureza em outro lugar.

... de finalmente terminar meu livro. Desde 2008 o escrevo e não aguento mais adiar seu fim. Não por falta de ideias, mas sim por outros fatores. Uma hora é falta de vontade, na outra depressão e em outra barulho ou problemas que adoram me atrapalhar só pela diversão da coisa. Força de vontade tem fim! Coitada, essa também precisa descansar. Mal posso esperar pelo dia que esse sonho irá se materializar nas minhas mãos, mas sei que até lá vou ter que ralar muito.

... de conhecer quem me inspira. Faz tanto tempo que espero por isso, que quase não acredito mais que possa acontecer. Espero, de verdade, que eu quebre a cara e morda minha língua! Espero que eu esteja errada e conheça, sim, as pessoas certas na hora certa. Que seja tudo um sonho bem gostoso, bem real, e que me mantenha sonhadora para o resto da vida. Seria tão bom, mas tão bom! Quem dera durasse para sempre.

... de viver. Cansei desta casca. Cansei de me forçar a fazer as coisas só porque elas tem que ser feitas. Só porque alguém tem que fazê-las, e esse alguém é o idiota que esqueceu de dar um passo para trás. Quero viver do meu jeito porque tenho idade e cicatrizes o suficiente para me aguentar. Ir ao cinema quando der na telha, andar pela casa quando eu quiser e para qualquer lugar. Quero parar de querer e fazer antes mesmo da vontade chegar. Não ser mais eu, mas sim somente eu e mais ninguém.

8 comentários:

L.H.C disse...

Faço minhas suas palavras, Del, um dia a gente alcança seja lá o que esperamos alcançar; nossa que terrível mesmo dividir um banheiro!! Eu vivo sonhando com uma casa para chamar de minha.

Andreia disse...

A frase final é espectacular. Muito boa mesmo.

E quem e que não gostaria de ter o seu próprio cantinho? Eu já pensei nisso várias vezes, mas sem trabalho fica difícil de simplesmente fazer as malas e mudar de casa. :/

Mas acho que quem quer sempre alcança. Demore o tempo que demorar. x)

Beijokas

Thay disse...

Nem me fale, Del! Não vejo a hora de ter meu canto pra deixar do jeito que eu bem entender. Não que aqui em casa eu tenha muitos problemas com isso, visto que até ajudo mamãe a decorar, mas mesmo assim não o meu canto. E eu divido o banheiro com a minha irmã apenas, mas sei o quanto é ruim! Sou super organizada enquanto ela... bem, é a bagunça em forma de pessoa! Entro no banheiro, arrumo tudo. Logo quando volto, já está tudo na bagunça de novo! Não aguento. XD "Não ser mais eu, mas sim somente eu e mais ninguém." LINDO!

Nina disse...

Uma das suas vontades já consegui realizar para mim: a de viver com quem eu quero e ter um canto só meu. Mesmo o canto sendo meio provisório, sair da casca é uma maturidade que se aprende na marra, Del. E como vale à pena, viu. Toda a sorte do mundo pra ti. Um beijo.

Flá Costa * disse...

u-a-u! Concordo com a Andreia aqui em cima: a frase final é espetacular. Mas todo o texto é delicioso de ler. Também quero uma casa pra chamar de minha, a idade vem e a gente vai oscilando entre querer ser gente grande de uma vez e simplesmente não crescer mais.
Quero muito ler o tal livro, e criar coragem para enfim dar continuidade a algumas das ideias que já tive para fazer o meu...

Beijos querida

Pri Bragança disse...

Del, taí uma coisa sobre a qual eu posso falar, pois já conquistei meu cantinho. Um apartamento pequeno, mas onde eu pude pintar paredes de azul, verde e vermelho sem que alguém desse pitacos; onde posso lavar a louça quando quero...

Chega uma hora que crescemos e não dá mais pra dividir o espaço com pessoas que já são donas daquele espaço. Você precisa de um lugar seu, mesmo que compartilhado, mas onde você se sinta a vontade pra fazer o que bem quiser.

Angela disse...

Também não vejo a hora de ter o primeiro item... As coisas aqui estão complicadas e é bem chato ouvir a mamãe falar que queria que eu tivesse minha casa logo e por um lado eu realmente queria ter, como tudo seria mais fácil... o que nos leva ao item 5: se tiver o 1, quase que consequentemente tem o 5 e claro que tem o 2 ;)
Encontrei uma pessoa que me inspira num momento ótimo e quando eu menos esperava... e espero que as coisas continuem assim né :S Talvez parar de esperar seja a questão ;)
Boa sorte com o final do livro :D

Elizia Cavalcante disse...

Véi,na boa, existe alguma coisa mais complicada do que convivência?

Postar um comentário