18 de junho de 2012

O Circo da Noite

Eu estava esperando ganhá-lo em um sorteio pela internet. Entrei em alguns blogs, participei, mas meu bichinho circense não aguentou a espera - comprei o livro unicamente por envolver a arte circense no enredo. É isso aí, não tenho vergonha em assumir. Assim como ganhei Água para Elefantes de aniversário pelo mesmo motivo, e comprei O Circo e etc. Quero ter o máximo possível de coisas sobre arte circense, não para mostrar aos outros minha fantástica coleção, mas para conhecer cada vez mais e ler e assistir e acumular o conhecimento sobre uma das artes que mais amo. Foi pensando assim, que me dirigi à Saraiva mais próxima e comprei o romance de estreia da escritora Erin Morgenstern, curiosa pela história e também para analisar alguém que - assim como eu - está começando a carreira.

Obviamente, eu esperava por toda logística de um circo e a vida cigana que os artistas e empregados levam em tal rotina. Esperava conhecer um pouco mais sobre o que já sei, e incluir em minha mínima coleção literária mais um livro encantador e esclarecedor. Só que eu me enganei, respeitável público. O Circo da Noite é um livro mais para mágica do que para circo. A história se passa sim, em um circo, mas não é este o foco principal. A companhia circense sequer segue a tradição. Le Cirque des Rêves é um campo de batalha entre Celia e Marco, que podem ser classificados como ilusionistas ou magos, seja lá o que você preferir. Resumindo, as tendas compostas pelos dois são simplesmente um jogo agregado aos visitantes e pessoas diretamente ligadas a administração do circo. Eu, pessoalmente, não gosto muito desse tipo de leitura que envolve magia e coisas "impossíveis", por isso foi tão difícil terminar o livro.

Pensei muito antes de escrever esta resenha porque sei como é complicado escrever o primeiro romance. Não quero colocar Erin na berlinda, pois ela merece um crédito - o enredo não é de todo mau. As puladas na história, misturando acontecimentos do passado com o presente, atrapalham bastante o acompanhamento do leitor, assim como as descrições detalhistas de lugares e feitiços. A tradutora, devo dizer, também não contribuiu muito - errou em diversas páginas a ortografia do texto e também a colocação das palavras e traduções. Erin se demonstrou um tanto repetitiva em algumas coisas, relapsa em outras, deixou em aberto uma série de mistérios e se esqueceu de explicar e finalizar alguns pontos. Como eu disse, é complicado escrever um romance e acho que ela poderia ter simplificado um pouco para não se perder na linha do tempo e com os passos de cada personagem.

É um livro cansativo, talvez justo pela insistência em detalhes dispensáveis e a mudança drástica entre anos, meses e lugares. Requer certa paciência, pois a história não apresenta clímax. O final, para mim, deixou em aberto uma possível continuação. Pelo menos eu espero por isso já que o enredo termina do nada. Mas tem como ponto positivo a criatividade e o convite ao leitor - somos sempre direcionados à entrada e às vezes para algumas tendas também. A escritora teve uma excelente ideia ao criar os rêveurs e passar a paixão pelo circo através deles, criando assim, possivelmente, amantes reais da história que se identificam. Eu, sem dúvidas, mesmo não gostando tanto do livro e lhe dando apenas três estrelas, seria uma rêveur a andar com casaco preto e cachecol vermelho! Sou uma pessoa suspeita quando o assunto é arte circense, e facilmente influenciada. Portanto, O Circo da Noite merece ao menos uma tentativa. Não recomendo fortemente, mas se acaso você gostar de leituras diferentes, que fogem das histórias convencionais, será uma ótima escolha.

Quem sabe é a oportunidade para você, finalmente, se render ao circo!

18 comentários:

Ana Luísa disse...

Já eu costumo curtir histórias que envolvem magia! Essa questão dos magos me chamou atenção, hein? Acho que vou colocar na minha lista!!!

Antônio LaCarne disse...

lindo o seu blog. conteúdo de primeira. voltarei sempre. beijos.

Mayra disse...

Que bom que você avisou, viu? Eu ia comprar pra ler, porque gosto de histórias de magia e tal, mas odeio essa coisa de ultra detalhismo para coisas inúteis. Amei a resenha! hahaha

aline disse...

adoro o mundo do circo também e acabei de descobriu seu blog. achei encantador! visitarei mais vezes :)

gabriela m. four disse...

Ah, que dó. Esse é o segundo blog que fala desse livro, que eu tava com muita vontade de ler por causa do título e das capas lindas que ele tem! Mas agora desanimei. *muxoxo*

L.H.C disse...

Eu gosto de livros que falam de magia, mágica, e derivados, contando que seja bem escrito, pra mim tá bom.

Fran Carneiro disse...

Gostei da sua resenha, Del. Pela sua descrição da história, apesar de não ter nada contra histórias que envolvem magia ou coisas fantásticas, fique balançada. Tenho curiosidade de ler, sim. Mas acho que seria 8 ou 80 com o livro (sou dessas). haha.

Luciana Brito disse...

Eu ganhei esse livro no sorteio da Intríseca e estava louca para ler, mas tenho visto tantas críticas negativas que até estou com medo. Vou tentar ler, espero ter paciênia.

Gostei da sinceridade da resenha.

Beijo, Del!

Thay disse...

Esse livro está na minha lista de leitura desde que eu o vi, ainda em inglês, sendo vendido no Amazon. Acho que até deixei o link aqui pra você ver! Fiquei encantada pela capa do livro e pelo enredo, mas depois de ler algumas resenhas fui ficando cada vez mais receosa em comprá-lo. Afinal de contas, eu tenho tanta coisa na minha lista de leitura que prefiro comprar aquilo que estou desejando loucamente e não apenas com curiosidade. Depois da sua resenha fiquei certa de uma coisa: vou dar chance ao livro por gostar de histórias que envolvam magia, mas isso vai acontecer mais pra frente, quando eu não tiver ansiosa por algum lançamento especial. :)
Beijo!

Natalia. disse...

Eu estava com vontade de ler este livro e se não me engana está na minha lista, porém havia lido algumas resenhas não tão animadoras. Mas um dia o lerei para saber como é!

Pri Bragança disse...

Livros muito detalhistas me cansam, mas eu consegui terminar de ler O Senhor dos Anéis, então...

Vai entrar pra lista.


Beijocas.

Lilica disse...

Palmas para você! Porque eu quando leio dois capítulos de um livro e não gosto, desisto na hora! Não consigo continuar! Já comprei vários livros pelo autor, ou pela sinopse na contracapa, e na hora H era uma droga! Rs!
Pena né...!
Beijos

Nina disse...

Del, esse livro não será uma trilogia.
Tive treinamento recente com a editora Intrínseca lá onde trabalho (inclusive escrevi sobre o assunto no blog) e a Heloiza, que nos treinou, dissera que O Circo da Noite não terá continuações.
Gostei da tua resenha, sobretudo porque não se tem tanta noticia assim dessa obra, visto que muitos confundem-na com Crepúsculo por conta da capa (o que nada tem a ver, mas enfim. Eu também sou assim, mesmo não gostando, continuo a leitura. O ruim é quando criamos expectativas demais diante de um livro. Fazer o quê. Abraços.

Mariana disse...

To com a Pri ali em cima. Quando você começou a descrever o livro, O Senhor dos Anéis foi a primeira coisa que me veio a cabeça. E me dói dizer isso, mas PUTA QUE PARIU, como os livros são cansativos! Só com muita força de vontade terminei de ler. Acho que os livros tem sim que deixar algumas coisas pra imaginação, descrever em excesso só cansa. ¬¬

P.S.: Já li a Bíblia. Tipo, inteira. Go figure.

Mariana disse...

P.P.S.: É MUITO bom saber que você ainda está na ativa!

Jana disse...

Oi, Del!
Bom, estou aqui depois de muito tempo sem comentar, né? Mas vamos lá: você traduziu um bocado o que eu achava do livro mas não consegui explicar. Bom, eu gostei do livro, sabe? Toda essa magia me encantou. A coisa das tendas que eram presentes, achei lindo! Mas ai eu penso que ficar trocando datas e lugares não foi mesmo uma boa. Se a história fosse contada de forma linear, talvez não tivesse tanto charme, mas eu acredito que teria aproveitado bem melhor, já que no fim do livro eu comecei a ficar bem perdida... Quem sabe seja um caso pra uma nova leitura futuramente.

PS: e não, não lembrei o que eu queria te perguntar. Acho que eu deveria ter anotado para consulta =P

Enfim, beijão!

Camila disse...

Eu também não curto nada que foge demais à realidade...
Sobre terminar o livro, eu sei como é, alguns livros enrolam muito e uma enrolação desnecessária e mal feita. Não sei se se encaixa no quesito enrolação, mas o livro "a menina que roubava livros", apesar de muito bom, eu demorei séculos pra terminar de ler... Não saia muito do lugar. rss

Mas enfim, excelente ou não, você tem mais um livro na estante ;)

Camila Faria disse...

Às vezes a gente cria tanta expectativa em cima de alguma coisa e acaba se decepcionando, né? Uma pena quando isso acontece. Mas o livro parece ser curioso...

Postar um comentário