30 de setembro de 2012

Trabalhando (ou não)

Eu queria que o Bonjour Circus fosse mais leve. Ultimamente, percebi que travo bastante na hora de blogar. Os assuntos não vem; se muito esticam um dedinho para fora da superfície e afundam de novo. Não é questão de escolher o que vou escrever, mas onde deveria haver o ponto de partida, só há uma interrogação. Na vida offline também, ando tendo dificuldades de começar alguma coisa, mais por confusão do que preguiça. Parece que minha mente entrou em descanso de tela. A ansiedade, consequentemente, aumenta. Um escritor não conseguir escrever só pode dar merda. Já me perguntei se seria a metamorfose natural dos 25 anos, ou qualquer coisa científica do tipo. Não obtive resposta. Enquanto a gente aguarda a volta do sistema, vamos tagarelar sobre o que ninguém quer saber.

As ideias estão aqui, desembestadas e nervosas, dando coices em algum lugar sombrio da minha mente. Vez e outra adestro no papel um título ou parágrafo, mas nada que ultrapasse o limite dessa demência temporária. O meu próximo livro empacou, lógico! Se não tivesse empacado, não seria meu. Pelo menos eu tenho o final, faltando somente preencher o miolo. Como eu já disse no twitter, o conto "O cara da porta 15" estará presente. Confesso que escrever contos é um tanto mais difícil do que romances, para a minha total surpresa. Pelo menos tenho a liberdade de produzir bem menos do que 200 páginas sem culpa.

Também andei ocupada com a preparação de textos para uma revista online, da qual participarei como autora. Pois é, recebi um convite, aceitei, e agora vou aparecer em um mundo paralelo ao Bonjour Circus. Escrever em uma revista não estava nos meus planos, mas compartilhar os meus textos nunca saíram deles. Portanto, juntei o útil ao agradável e espero que dê certo. As pessoas que me leem no blog fazem isso justamente por gostar dos meus textos. Já as pessoas que irão me ler na revista, farão isso porque gostam da revista. Um caos, sem dúvida.

E como era esperado, comecei de novo com essa ideia de escrever dois livros ao mesmo tempo. Graças ao The Rasmus, finalmente encontrei o título para uma história que desenvolvo desde o ano passado, e agora ninguém pode me impedir. Mysteria será um caminho difícil de percorrer, pois se trata de literatura fantástica. É, eu sei que mencionei por aí que não gosto desse gênero, mas as vozes na minha cabeça insistem. Ou eu escrevo, ou elas ficam cantando música brega o dia inteiro. Escolhas tiveram de ser feitas.

Tudo isso faz com que o meu cérebro peça arrego. A base de muito biscoito murcho de arroz integral, eu escrevo o quanto posso. O blog? Coitado, é sempre o primeiro a chorar de fome. Acho muito pau no cu essa expressão mas, são projetos que exigem uma cabeça sã e salva (coisa que eu, obviamente, não tenho) e um certo tempo livre. Além do mais, fora essa loucura do barulho, nada na minha vida tem mudado drasticamente. Eu sou um poço de mesmice. Você joga uma pedra e nada acontece - ela não afunda, não faz tibum nem boia. Faz o que, então? Muito provavelmente, ela cai da sua mão e pára na borda do poço.

Agora, imagine que louco começar a ganhar por cada texto que tenho de escrever!

6 comentários:

Blank Space disse...

Argh, nem fala, algo parecido está acontecendo comigo também. As idéias (com acento pq eu sou uma velha teimosa, me ignore) chegam mas não consigo colocá-las no papel de nenhuma forma minimamente aceitável, começo a escrever várias coisas e nada se completa. Eu tenho uma série de textos e "projetos" não terminados, acho que por preguiça também, mas uma preguiça que não é superficial, nem aleatória. Enfim, muitas coisas em jogo e fico cansada só de pensar.
Acho que deve ser ainda mais complicado pra você, que tem projetos e um blog com uma audiência bem grande e etc., mas pelo menos você não parou.
Espero que esse "bloqueio" passe, o importante é continuar, além de já ser uma coisa ótima essas oportunidades que estão aparecendo pra você.
Boa sorte no trabalho, nos projetos, em tudo :)
Bjs

L.H.C disse...

Se escrever de graça já é bom imagina ganhar dinheiro para isso! Eu queria algo assim, ser free lance ou algo do gênero, mas vamo combinar, não tenho talento para tanto. Desejo-te sucesso na revista, Del!
Ah, e um p.s
estou amando Helena (cara, isso soa estranho, mas você entendeu)

Pablo disse...

ah, que novidade boa, Del! fico feliz! e tipo... como assim dois livros ao mesmo tempo? estou desatualizado das suas coisas, é isso? haha!

Dea Carvalho disse...

Writer's block, minha cara. É foda. Comigo acontece algo parecido, só que sem o glamour. Não tenho mais uma gota de imaginação e só consigo escrever (e mal!) sobre minhas próprias paranoias.

Mas veja só, Dell... teu trabalho tá crescendo! Isso é o que se espera de quem é realmente bom, daí a pressão. Tem gente que por algum mistério genético, espiritual, psiquiátrico, que seja! Tem gente que funciona melhor sobre pressão. Isso é muito escroto! Mas mesmo com todas essas coisas na cabeça, dá pra sentir tua persona em cada linha. Enquanto for assim, não tem como ficar ruim.

Beijo.

Cat Campos disse...

Que legal você escrever pra uma revista Del!
Agora vou te contar uma novidade. Talvez nem seja novidade, mas esse bloqueio não acontece só com você. É uma coisa do tipo: você sabe que tem que escrever, você quer, as palavras estão chutando como o bebê na barriga da mãe, mas nada vem. É frustrante, mas passa.
Boa sorte nos seus 'projetos' e sucesso!
Beijos, Cat.
www.doceilusao.com/

Ana Flávia Sousa disse...

Com meu pouco talento, acredite, também passo por vários e não raros momentos de bloqueio! Como já disseram aí em cima, não com todo este glamour. hehe
Que coisa mais boa ler você em uma revista também! Demais, demais! Sucesso sempre!

Postar um comentário