29 de outubro de 2012

O meme literário de um mês (2012) - Parte IV

Dia 22 – Cite três escritores que você gosta. Fale sobre eles.
Ah, todo mundo já sabe, e eu não me esforço nenhum pouco para mudar minha resposta. Não abro mão de Florbela Espanca, a melhor poetisa de todos os tempos. Meu Deus, essa mulher é incrível! A alma dela é quase paupável em cada verso. O seu amor chega a ter um cheiro adocicado quando leio um de seus livros. Ela sofreu uma das tristezas mais lindas que já li.





Markus Zusak, o meu ídolo, o meu mestre, o meu sol, raio, estrela e luar. Eu amo esse cara. Amo dividir o planeta com ele. Jamais pensei que um dia encontraria um autor assim, tão perfeito. Foi ele quem me ensinou a criar mais e libertar minha escrita. Antes, cheia de Machado de Assis, eu mantinha minhas histórias no cabresto. Posso dizer que há a Del Lang a.M e a Del Lang d.M!




 

Mia Couto, recém descoberto por quem vos escreve, é outro gênio. Rolou um vídeo dele lendo um conto de sua autoria, Murar o Medo, e eu fiquei apaixonada. E o sotaque português? E as metáforas? E os contos? Ainda não completei a leitura de todas as suas obras, mas já posso dizer que é um dos meus autores favoritos.








Dia 23 - Com que frequência você lê fora de sua zona de conforto? Você costuma abrir os horizontes para novos escritores, gêneros, países quando o assunto é leitura ou você lê sempre o mesmo dos mesmos?
Eu adoro conhecer novos escritores! Vivo pesquisando, tanto gringos quanto nacionais, e até independentes assim como eu. Foi assim que encontrei Mia Couto, um gênio, e Suzo Bianco, um autor que tem tudo para dar certo.


Dia 24 – Cite um livro que você achou que não iria gostar e acabou adorando.
Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector. Eu sempre tive um pé atrás com ela, mas resolvi conferir um pouco mais de suas obras. Continuo com um pé atrás, não gosto de grande parte do que ela escreveu, mas Perto do Coração Selvagem é de uma sensibilidade sem igual!





Dia 25 – Cite um livro que você achou que iria gostar e acabou não gostando.
Lolita, de Vladimir Nabokov. Nossa, falam tanto desse livro (e mais ainda do autor), que é um espetáculo, ótimo, maravilhoso e ZzzZzzZZz... Desde que comecei a fazer terapia, como todo bom geminiano, entrei numa fase de analisar os outros também. Lolita, portanto, não passa de um romance psicológico, cheio de gente louca do cu, que deveria estar no hospício e não na cabeça de Nabokov. Muito chato, muito errado, e forçando a polêmica até o limite.




Dia 26 – Fale de alguns hábitos literários seus.
Não presto muita atenção nisso. Um dos meus hábitos, que me acompanha desde sempre (e já o citei no meme), é ler o último parágrafo de cada livro antes de começar a lê-lo. Outro hábito é sentir o cheiro das páginas e a textura da capa.


Dia 27 – Cite um livro que você gostaria de ler, mas que por algum motivo nunca leu. Por quê?
Quando Nietzsche Chorou, de Irvin D. Yalom. Ainda lembro da febre que esse livro causou. Sabe, eu sempre tive medo de ler qualquer coisa de Nietzsche ou relacionada a ele. Tenho a impressão de que vou cair em depressão profunda ou tentar suicídio após terminar alguma obra dele. É sério, pessoal. Eu tenho medo do Nietzsche. Esse best seller está na minha lista de leitura agora, só esperando por uma brecha para ser lido. Quem sabe começando por ele, eu vá perdendo aos poucos essa insegurança e paro de achar que vou abraçar cavalos só porque li algo do tio maluco.

6 comentários:

Mayra disse...

Meu sonho é ler Nietzsche, mas acho que preciso evoluir muito no quesito linguístico, literário e na maturidade antes de me aventurar, caso contrário adquirirei uma impressão muito errada sobre ele e de acordo com tudo que já ouvi falar sobre, ele parece ser fantástico. Florbela é amor, Mia Couto é amor e Marcos Zusak eu só li "A Menina que Roubava Livros", que achei muito bom também, embora o começo seja mais que pacato. Sou apaixonada por Clarice Lispector, embora só tenha lido um livro dela, que era de crônicas ainda, mas achei as crônicas maravilhosas e fiquei morrendo de vontade de conhecer a autora, não através de obras, pessoalmente mesmo, porque sou dessas. Pena que é impossível.
Enfim, abraços <3

L.H.C disse...

Esse livro do Irwin D. Yalon é uma coisa incrível, desde que ele estava no auge que tinha vontade de ler, mas só li esse ano, é para ter medo mesmo, por que é muito angustiante, cara! Pior foi eu concordando em gênero, número e grau com as "tiradas" do Nietzsche; agora estou com o livro do próprio Nietzsche para ler também.
Markus Zusak é um lindo, lindo mesmo, gatinho ele, né? Apesar de que só li A menina que roubava livros, mas sendo perfeito do jeito que é basta para saber que o autor é um gênio.
Não consigo ler Clarice Lispector nem a pau, já tentei, mas não dá!

Michas disse...

Eu também tenho medo de Nietzsche! Tenho um ou dois livros dele ena minha estante, praticamente intocáveis, e vou te dizer que não pretendo tirá-los do lugar tão cedo. Ainda não estou preparada para o desafio, acho!

Quanto ao Mia Couto, lembro que li "O Último Voo do Flamingo" para uma prova de vestibular em 2007, acho. Gostei bastante, mas acho que terei que reler, porque mudei bastante desde que tinha 17 anos, e acredito que minha interpretação da obra será completamente diferente.

Preciso ler algo de Markus Zusak! Obrigada pelo lembrete! E quanto à Clarice Lspector, tenho dois pés para trás com ela. Quem sabe um dia, né?

Gostei do post!

Beijos e boa semana :)

Michas

Henry Alfred Bugalho disse...

Se eu fosse você, Del, passava a leitura de "Quando Nietzsche Chorou". Foi um dos livros mais sem propósito e mal escritos que tive o desprazer de (tentar) ler nos últimos anos. Tão enfadonho que tive de pular páginas e mais páginas para acelerar e a leitura, só parando para ler quando o personagem Nietzsche aparecia.

Ao invés disto, vá direto a "Assim Falava Zaratustra", possivelmente um dos melhores livros de Literatura/Filosofia já escritos. Talvez seja uma das obras que mais influenciou autores da modernidade e da pós-modernidade.
Não se preocupe, você não ficará louca. Nietzsche só pirou porque havia provavelmente contraído sífilis.

E se puder lhe dar outra recomendação de leitura, procure por algum livro de Henry Miller, "Trópico de Câncer" ou "Trópico de Capricórnio" (este segundo é uma leitura mais linear). É um outro mundo.

Abraços.

del disse...

@Henry Alfred Bugalho Olha, vou seguir seus conselhos! ;)

Blank Space disse...

Adoro a Florbela Espanca também, sua tristeza é realmente muito bonita. Me faz lembrar uma frase de um seriado que assisto: "sad is happy for deep people".
Nem é bom eu começar a falar de Markus Zusak, meu autor favorito. Os livros dele me inspiraram, me encantaram e me fizeram companhia em vários momentos difíceis da minha vida. Já li tudo dele, até uns contos perdidos de um blog que ele tinha, que agora infelizmente não consigo mais encontrar.
Bom, eu amo a Clarice, li várias coisas dela, contos, crônicas, e é difícil eu achar algo que não goste. Esse livro que vc mencionou, Perto do Coração Selvagem, é mesmo muito bom, e eu também gosto muuuito do "Um Sopro de Vida (Pulsações)". Também queria ler "Quando Nietzsche chorou", mas com o tempo fui desistindo. Enfim, vou procurar algumas coisas desse Mia Couto, não conhecia ;)
Bjs

Postar um comentário