24 de março de 2013

Dez coisas que odeio

Indicado pela Mariana, esse meme é perfeito para o meu estado de TPM somado ao meu ódio por ter deletado a pasta mais importante do Velho Oeste. Não, não vou esquecer disso assim, do dia para a noite. Vai levar um tempo até que o meu organismo absorva o veneno. Falando nisso, vou evitar o lugar-comum na minha lista e simplesmente dizer que "deletar o que não deve" é item essencial, que abre o desfile. A ordem não significa nada - ódio não tem hierarquia, né?


1. Telefone
Telefones em geral. Eu odeio falar ao telefone, odeio quando ele toca e normalmente odeio quem está ligando porque quem tem o meu número sabe que eu não gosto de ligações. Sou uma espécie de Violet Crawley contemporânea. Para que telefone? Por que inventaram isso? Nós estávamos tão bem sem ele. Antes, as pessoas precisavam sair do conforto de suas casas para encher o saco dos outros. Hoje, não. Hoje elas pegam o telefone - seja em casa ou na rua - e nos penduram por horas a fio sem ter nada de útil a dizer. Veja você, não gosto de conversas nem cara a cara, olhando nos olhos, imagine através de fios e tecnologia barata! Desenvolver assuntos não é o meu forte, para ser sincera, e se não sei quais são as reações do meu interlocutor fica mais complicado administrar a conversa. Ao contrário do que reza a lenda, o telefone não foi inventado para nos aproximar.

2. Cinismo
Vamos ver se eu consigo exemplificar. As pessoas tem essa mania desgraçada de dizerem: não precisa, eu faço. Não precisa vir para cá, eu estou bem. Elas nunca precisam de nada mesmo passando 12hrs do dia reclamando o contrário no tumblr. Quando perguntamos, está tudo bem. Quando viramos as costas, as flechas acertam em cheio. Daí que isso acontece muito comigo. Eu me ofereço, insisto após uma negativa, e após três e também após quatro, que é o meu limite de generosidade. Ninguém quer, Ninguém está contente assim. Passam uns meses e o cerumano me vem com conversa fiada de que "você nunca faz nada, você não foi me acompanhar a tal lugar, você não estava lá, você não quis"... Se argumento dizendo que perguntei, que ofereci, que quase dei a bunda, o cerumano solta um: "Mas não tem que perguntar, tem que fazer". Ou seja, por que a pessoa negou ajuda?

a) porque é orgulhosa;
b) para ter do que reclamar a meu respeito mais tarde;
c) guerra psicológica;
d) um comportamento social que não me foi ensinado;
e) as pessoas ainda acham que somos o que elas querem que sejamos, assim como temos bolas de cristal para adivinhar o que elas pensam e que devemos estar apostos como bons lacaios para os servir.

3. Que apontem o dedo para mim
Se você quiser me deixar nervosa, seja numa discussão ou numa simples brincadeira, aponte esse seu dedo indicador gordo e sujo para a minha cara. Eu vou perder a compostura. É uma das muitas frescuras que me dou o prazer de ter. Acho falta de respeito, uma atitude que se deve ter com cachorros quando eles fazem xixi nos móveis da casa. Sabe, eu mijo onde eu quiser.

4. Gente burra
Veja bem, existem dois tipos de burrice: o primeiro é aquele com o qual nascemos e depois aos poucos nos desfazemos dele no período escolar. Não tenho nada contra isso, já que ninguém nasce sabendo. Aliás, não há nada melhor do que você querer aprender o que desconhece e assumir as respostas que não tem. O meu problema é com o segundo tipo: a burrice opcional ou por falta de atenção, digamos assim. Cerezumanos que são obrigados a fazerem repetidas vezes a mesma coisa porque não conseguem acertar logo de primeira; quando é necessário repetir a mesma frase ou explicação mais de duas vezes porque a cabeça do sujeito está superlotada de vento; a inexplicável incapacidade de aprender algo simples e por aí afora. Não tenho paciência e não vejo porque tê-la.


5. Abóbora gratinada
Era o meu prato favorito até eu fazê-lo em um dia que estava com febre. Talvez uma coisa não tenha nada a ver com a outra, mas não recomendo que comam creme de leite com abóbora num estado deplorável de gripe. Fiquei tão enjoada, que desde então não consigo nem olhar para esse prato. Ele continua sendo bom, nada mudou, e tenho esperanças de voltar a gostar dele. Mas por enquanto faz meu estômago dar voltas.

6. Não saber o que escrever
Como agora. Travar no meio de um texto é algo que me tira do sério porque na maioria das vezes as palavras estão prontas, só esperando. Mesmo assim não consigo digitá-las por alguma razão desconhecida.

7. Aparelhos com defeito
Eu sou do tipo que acha assim: se vai fazer, faz direito. Não dou brecha para o mal feito. Se você tem uma puta multinacional cheia de escravos trabalhando em condições perigosíssimas, por favor, fabrique um celular que pelo menos não trave o Angry Birds a cada cinco minutos, né. Vamos justificar, vamos fazer valer a pena. Se você resolveu inventar um Windows 7.000 Reloaded, que pelo menos essa bosta não tenha os mesmos bugs que o Windows anterior. Agora, se você não resolveu nada e só quer ganhar dinheiro a custa de Black Fridays mascaradas, meu amigo, não me faça de vítima. Eu vou fazer da sua vida um inferno. Vou fazer suas atendentes do SAC chorarem sangue até a morte. Seus técnicos sairão da minha casa da cor do cal, com as calças cagadas. Suas filiais e autorizadas amanhecerão com uma macumba na porta da frente. Não, eu não vou quebrar o aparelho com defeito. Eu vou quebrar a sua espinha só com um olhar.

8. Pessoas adoráveis
Você não precisa ser amargo para que eu o ame. Não é isso. Aliás, nem tente se aproximar de mim com um papo pseudo-gótico, oi eu coloco asas negras no Lauri através do photoshop. Gente assim me dá ânsia. O que eu quero dizer é: não seja amável. Não compreenda, não entenda, não ame, não goste, não dê para trás em todas discussões o tempo todo. Pessoas assim normalmente tem as ideias e opiniões mais chulas e conservadoras a respeito de qualquer assunto. Vivem num mundinho de classe média alta onde nada atinge o quarto cor de rosa ou cheio de posteres de bandas de metal. Não julgo quem diz ter uma vida perfeita porque eu realmente acredito nisso. Quer dizer, quem diz ter uma vida assim só pode achar que o problema da cidade grande onde mora se resolve votando melhor, deixando de usar seu carro por um dia inteiro ou ainda fechando a fronteira do estado para que migrantes não entrem. Lógico que a vida deles é perfeita. É a única coisa que lhes interessa.

9. Calor
Antes, eu amava o calor. Gostava de vestir blusas de alcinha, shorts, saias e chinelos. Minha asma quase não incomoda no verão, enquanto que aparece praticamente todos os dias ao longo do outono e inverno. Depois, eu viajei e conheci o que é frio de verdade. Ao contrário do que todo mundo apostava, eu não morri e não odiei. Sobrevivi e passei a venerar o inverno. Fico igual criança em noite de Natal quando chove ou quando os meteorologistas anunciam uma frente-fria. Preparo os meus pulmões com os medicamentos, rezo para que a sinusite não apareça, e pago o preço que for para curtir um friozinho debaixo das cobertas!

10. DELETAR O QUE NÃO DEVE

Não resisti.

12 comentários:

L.H.C disse...

calor insuportável realmente, mas como lidar com o fato de morar numa cidade que é verão o ano inteiro? é um motivo suficiente para ser uma pessoa amargurada a maior parte de do tempo, não?

Rick disse...

Estou apontando o dedo na sua cara neste momento, ai não é lugar de fazer xixi e pronto. hehehe.

Boa tarde moça, "_"

Edgar disse...

A burrice em si não chega a causar grande incômodo, porque eu penso ser uma coisa que independe da vontade de cada um. Posso estar sendo politicamente incorreto, mas não vejo qualquer problema em achar alguém um burro incorrigível. Isso não faz uma pessoa melhor que as outras, nem a mim melhor que alguém que eu considero ser um quadrúpede (por consequência, alguém que me ache burro também deve pensar da mesma maneira). Eu mesmo faço parte dessa parcela miserável em muitos aspectos – bem mais do que eu gostaria, diga-se. Pelas mesmas razões, admito que há exagero de ignorância no mundo. Talvez seja exatamente por isso que o que costumo chamar de ~arrogância da ignorância~ consiga despertar em mim o que eu tenho de mais sanguinário. É quando a ignorância se manifesta em toda a sua resplandecência, quando se espalha como um tumor maligno. A ignorância sente orgulho do nada que é, e não admite ser contrariada. É o pior da raça humana. Eu tenho uma grande antipatia por gente assim. Prefiro me manter longe.

Thay disse...

Como assim eu ainda não tinha visto esse layout lindo? Del, você se supera a cada vez, isso é lindo! E adoro que os quadradinhos coloridos sempre encontram um espaço nas novas criações. <3

Violet Crawley me define com esse gif! Também detesto falar ao telefone, e meus amigos e familiares sabem disso. Me enviem um sms ou whatsapp que respondo com o maior prazer do mundo, mas não me ligue! Prefiro ficar ouvindo a música do meu toque do que atender. Ah, desculpe sociedade, não gosto e pronto! Ahh, e você definiu muito bem a tal da burrice opcional, também não tenho paciência pra isso. E calor? Nem sei pra que serve a não ser irritar.

Ah, e só pra constar: mamãe está lendo Helena, e curtindo! :D
Beijo!

MF Probst disse...

Algumas coisas dessa tua lista eu também não gosto. A parte do celular não suportar Angry Birds, por exemplo.


,,
*

Gabi disse...

Não gosto de telefone também. Não sou uma pessoa muito sociável, pelo telefone menos ainda. Quando tenho que falar com alguém ~importante~ eu espero todo mundo sair de casa e fico passando um roteiro de como falar e o que falar. Uma vergonha!
Quanto à pessoas adoráveis, acredito que boa parte das pessoas também não curtem. Gosto que pessoas que não me conheçam sejam simpáticas e educadas, mas não que me receba com um sorriso enorme como se eu fosse a melhor amiga de infância, esbanjando amor. Isso soa falsidade pra mim.
Quando ao calor, olha, eu não gosto de verão nem de inverno. Odeio esses extremos mas sofro mais no inverno. Eu deveria ser acostumada com ele, afinal desde sempre eu passo por invernos muito rigorosos, mas pra mim cada inverno que passa é uma experiência de quase morte.
Beijos

Lara disse...

Concordo com a maioria dos itens da sua lista.

Com o telefone, por exemplo, criei uma relação de ódio quando ainda era adolescente. Minha mãe vivia reclamando que a conta vinha muita alta, e então, simplesmente cismei. Fico apenas com meu celular que pouquíssimas pessoas sabem o número.

Quanto ao calor, apesar de nascer e morar numa cidade quente, não gosto dele em excesso. Às vezes começo a suar e sinto minha pele pinicando, como se fosse alguma alergia maluca...

Eu colocaria na lista as pessoas que ficam desfilando na calçada, em vez de andarem. Acho tão insuportável...

Nati disse...

Odeio pessoas que são boazinhas e felizes demais, que me cutuquem, andar de guarda-chuva, legging, que duvidem do que eu digo, ainda mais quando eu tenho certeza, salto alto e imposições... Beijos

Luciana Brito disse...

Na boa, TPM é uma coisa do cão, mas quando a gente vê o que faz nessa fase do mês, chega a ser hilário. E poxa, eu acabei discordando da parte do telefone, mas só em partes. Telefones são ótimos em certas ocasiões, mas no geral, são o inferno na terra.
De resto, concordo com tudinho. E o último item da lista foi ótimo só porque eu também fico puta da vida quando apago algo "sem querer" kkkkkk

Beijo!

Mariana M. disse...

Me identifiquei com o 1 e o 2 de uma forma que olha... O que mais me irrita no telefone é quando a pessoa liga no MEU CELULAR (que é um número novo, nunca foi de nenhuma outra pessoa a não ser eu mesma) e não se identifica. Tipo, qual a dificuldade em ligar pra um número e dizer "Oi, aqui é a Fulana de tal, queria falar com a Mariana.". Não. A pessoa liga e "Oi, quem fala?". Pessoa, você ligou no MEU CELULAR, você se identifica e você pede com jeitinho pra falar comigo. Do contrário desligo e não tenho o menor problema com isso. Já o 2 eu tenho uma teoria sobre no que diz respeito a "b) para ter do que reclamar a meu respeito mais tarde;". Teoria nada, eu acredito que é por isso mesmo. A pessoa tem uma vida tão vazia que esse é o único jeito de ela conseguir algum tipo de atenção. Quer saber? Vai a merda e veja se no caminho encontra o tanto que me importo com a tua reclamação. Ò____Ó

Lara disse...

Vou pensar nas coisas que odeio e fazer uma listinha.

Débora Braga disse...

Gente, AMEI esse meme! Já me identifiquei pelo número 1, odeio telefone. Nossa, não sei como tem gente que ama falar nisso. Também odeio calor, e não sei como lidar bem com isso já que eu moro no Rio e no verão a sensação térmica daqui é de 50°, imagina?!
Posso "roubar" esse meme pra postar no meu blog? Irei ficar super feliz hahaha.
Beijo

Postar um comentário