13 de abril de 2013

Saawariya (2007)


Às vezes eu passo pelo o que chamo de fases. Não como a lua (porque essa comparação seria brega), mas quando me interesso por um assunto pesquiso tudo o que for possível para saber cada vez mais a respeito dele (como toda boa geminiana). Teve a fase grega, quando saí por aí lendo mitologia e aprendendo sinais obscenos. Teve a fase alemã, quando comecei a ler filósofos, fiquei com medo do Nietzsche e descobri o Goethe e o Steiner. Ano passado fui atacada pela fase indiana. Baixei vários ebooks sobre a Índia, religiões, costumes, também músicas e filmes. Foi aí que conheci o famoso Bollywood, tão falado mas que nunca mereceu a minha atenção porque, veja você, eu tinha preconceitozinho. Filme indiano, para mim, era chato, sem pé nem cabeça e super esquisito com aquelas danças fora de hora. Vocês se lembram, não é? Não gosto de musicais.

Só que com a chegada da fase indiana, que como as outras caiu de paraquedas, eu resolvi experimentar. Até hoje não sei qual foi o meu critério para escolher meu primeiro Bollywood, nem tenho certeza se tive um, mas acabei acertando. Optei logo de cara por um filme com quê de fantasia e uma fotografia espetacular: Saawariya.

Sakina é uma moça serelepe que vive em uma vila de dar inveja; com um lago que se atravessa por uma ponte simpática e um prostíbulo cheio de gente supimpa. Fiquei tão abobada no começo com o cenário que me confundi: achei que Gulabji era a personagem principal, mas depois de vê-la dançar e comparando suas vestes com a de Sakina, descobri que ela era a prostituta. My bad! Mereço um desconto por ter sido meu primeiro Bollywood. São muitas informações, e mais a legenda, para quem estava acostumada aos filmes europeus e americanos. Estes, aliás, nunca mais serão os mesmos. Desde que assisti Saawariya tudo tem sido monótono.

O filme começa com um... projeto de rockstar? Chegando à vila. Logo ele descobre que todas as noites uma moça debaixo de um guarda-chuva fica na ponte a espera de alguém. É assim que Raj e Sakina se conhecem. Infelizmente, Raj entra na friendzone e acaba ajudando Sakina com o que se torna um mistério: quem ela espera? Apesar de estar apaixonado, ele fica ali, passível, a ouvindo lamentar sua solidão. É impossível contar mais do que isso sem quebrar o encanto da história. O bom do filme é esperar na ponte junto com ela e reprovar (ou aprovar) as atitudes de Raj contra (ou à favor) este mistério. Mas digo uma coisa: tem dança, tem música, tem muitas cores e tem homem pelado!


O final não foi lá essas coisas porque, convenhamos, a Índia vive em um estado de pureza. Não estou reclamando! É exatamente esta uma das melhores coisas do cinema deles - não tem apelo. Entretanto, eu ainda estou acostumada a um tipo diferente de contar histórias. O que é uma pena. Quem dera eu já pudesse ser capaz de aproveitar 100% de uma arte pura e inteligente. De qualquer forma, comecei bem a minha caminhada desta nova fase! Confesso que fiquei com medo de topar por aí com um Alluda Majaka da vida...

6 comentários:

Thami disse...

Eu nunca assisti esse filme mas faço das suas palavras as minhas "eu ainda estou acostumada a um tipo diferente de contar histórias". Adorei seu blog! Encontrei ele por acaso no Google, haha.

Xx
www.likeparadise.com.br

L.H.C disse...

E eu que pensava que Bollywood era alguma piadinha, isso há muito tempo, só pra constar, mas sei lá, nunca me aventurei a ver filmes indianos, a não ser que Quem quer ser um milionário conte como filme indiano, anyway.

gabriela m. disse...

Oii Del,
até hoje só vi assisti dois filmes indianos (que eu lembre): aquele Quem quer ser o milionário? e um outro de super herói que eu não lembro o nome... Até gosto, hein? Mas ainda prefiro os filmes europeus. "Ainda" por as coisas mudam, mas, né? É esperar, talvez um dia eu assista. Também acho que os filmes indianos são meio confusos, com um drama danado numa cena, aí na cena seguinte tem uma coreografia com músiquinha pop-indiana e eu fico boiando. Mas vou dar uma olhada em algumas cenas para ver se gosto (morro de medo de esnobar filme bom sem saber :x)
;**

gabriela m. disse...

Deeeeeeel, fui procurar a página do filme no Filmow e achei um comentário que diz que é baseado no livro Noites Brancas, do Dostoiévski. Achei inusitado, coloquei na lista para ver :))

Andreia disse...

Nunca cheguei a ver nenhum filme indiano, mas as atrizes indianas são de uma beleza incrível! :O

Não sei se verei este filme. Pelo que li no post, não me parece que encaixa no estilo de filmes que gosto. :X

Beijokas

Thay disse...

Ai Del, não canso de olhar esse seu layout e todos os detalhes, é tão gracinha! :)

Sabe, acho que nunca assisti a um filme de Bollywood, apesar de sempre ver aquelas moças vestidas em tecidos de cor forte e as achar lindíssimas. Claro que generalizei, né, mas quando se fala em filme de Bollywood lembro de moças bonitas com saari. Se bem que agora vou pensar em moços nus dançando na janela!

Beijo!

Postar um comentário