16 de janeiro de 2014

O que minha depressão tem a ver com a Kombi?

Eu preciso escrever um post pessoal. Eu preciso fazer do meu blog um lugar melhor. Eu preciso publicar alguma coisa, qualquer coisa, a meu respeito, seja sobre dormir com dezenas de gnomos e acordar cheia de hematomas ou sobre como ando cansada, muito cansada, e em depressão novamente. Mas eu não gosto de escrever sobre meus problemas emocionais – primeiro porque não é da conta de ninguém; segundo porque não vai resolver nada. E depois, sempre tem algum espertalhão para achar que estou me fazendo de coitada. Ou seja, muitos problemas por apenas publicar um texto depressivo no meu próprio espaço pessoal.

Mas a necessidade de conversar, digamos, mais intimamente continua. Chega uma hora em que é preciso aceitar: ninguém irá ler o livro que eu resenhei ou assistir o filme que amei. Ninguém irá experimentar em casa a receita que você compartilhou nem usará o creme duvidoso que você testou. Dezenas de pessoas podem até ler o texto até o final, mas poucas irão absorver o mínimo que seja e levar isso consigo. Então, no meio dessa crise blogueira de identidade, sem saber o que escrever porque, afinal de contas, não tenho o que contar, quase tranquei o Bonjour Circus: “quer saber? Vou fechar essa merda e arrancar o problema pela raiz”.

Apesar de ter certa facilidade em me expressar – basta estar tranquila para começar a digitar e tudo fluir naturalmente –, eu não estava nenhum pouco afim de chorar pitangas, catar coquinho na ladeira, secar gelo. Podia contar sobre o dia em que começou a chover no meio do caminho para casa e eu fiquei lá, andando tranquilamente enquanto todos passavam correndo por mim. Eu me molhei muito, bastante mesmo, e é mentira essa história de que chuva lava a alma. Podia contar que não vou ao circo, que se instalou praticamente ao lado de casa, porque devido a depressão supracitada não estou, veja você, no clima.

Podia contar, enfim, que o peso da idade caiu como um saco de batatas na minha cara quando li o anúncio de que a Volkswagen encerrou a fabricação da Kombi. Como assim, né? Até umas horas atrás a Kombi era o carro mais legal do mundo e atemporal. Mesmo a geração mais recente deseja ter uma Kombi. O Brasil precisa dela. O que será do micro transporte agora? Fiquei chocada. Não achei de bom tom. E para ser sincera, esse foi o ponto alto das minhas emoções nas últimas duas semanas.

11 comentários:

Pablo disse...

Nossa, Del. Posso parecer indelicado ao dizer que amei ler seu post, mas sou do tipo que encontra beleza mesmo nas coisas mais tristes. Essa coisa de estar mal, sabe, é algo que quase me acontece todos os dias. Estou enfrentando problemas bem ruins em casa também, coisa de saúde, e sei que não é nada fácil. Todo dia luto contra pensamentos ruins e tento me enganar com a certeza incerta de que tudo vai acabar bem. No fundo acho que já até consegui me convencer de que isso é verdade. Tenho fé!
Acho que o que posso te desejar no momento é isso, Fé! Acredite que tudo pode e vai melhorar, mesmo que de início você se sinta idiota tentando enfiar algo em que não acredita na própria cabeça, mas uma hora você vai se convencer.

Triste também pela futura extinção das Kombis! :/

Blank Space disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nick Soad disse...

Oi, Del.
Lembra daquele dia em que nada parecia dar certo? Lembra de ter chorado, de ter se arrependido, de ter se decepcionado?
E lembra daqueles dias em que você se surpreendeu? Em que você sorriu sem um pingo de timidez? Aquele dia em que, o que não estava dando certo, finalmente deu?
Você se lembra daquela sensação boa de objetivo alcançado?

Então, qual é a razão de tudo isso?
Pois bem, a vida é cheia de altos e baixos. E disso, sabemos bem. Mas, por várias vezes esquecemos.
Cada dia é um dia. Pode ser bom ou ruim. Estamos nesse jogo (vida), então devemos jogar. Devemos escolher entre sorrir ou chorar. Escolher entre se preocupar com tudo ou mandar tudo pra PQP!
Escolha não se importar. Sacaneie a tristeza, finja que não liga. É uma brincadeira boba, mas vai que funciona. Às vezes, funciona comigo. Pois, a minha vida também não está nada bem. Mas, eu escolho fingir que nem é comigo. Pronto. Escolho sorrir.
Tente também!

Se não adiantar, me chame. Estou por aqui.
Um beijo, sua linda. E um abraço bem apertado e cheio de querer bem. Toda força e toda sorte do mundo pra você!

Douglas Rodrigues disse...

Acho que te entendo..

Sem mais.

gotadenanquim.com/

Flor disse...

Del, nem a Kombi nem o Uno. Eu me senti velha quando soube do Uno. =(
A depressão fica de olho em mim, mas manda o pânico e a ansiedade me assaltarem. Enquanto você andava na chuva e se molhava muito, dia desses voltando da academia, eu paralisei na rua e quase chorei porque eu tinha certeza que seria atingida por um raio.
vai entender.

beijos e serenidade pra nós.

Renata disse...

Foi o melhor texto depressivo de todos os tempos. Quer dizer, não que seja bom, mas ainda assim você conseguiu um bom texto. Não sou boa com conselhos, mas peço que não se desfaça do blog e nem deixe de sentir o que tem de ser sentido, mesmo que não seja bom agora. Sempre me apego ao "tudo passa" para perseverar, quem sabe ajude. :~
Beijo!!
Reenoceronte

Dea Carvalho disse...

I feel you.
Meu blog também tá largado há meses. Simplesmente não rola. Dia desses voltei lá... pra escrever sobre o suicídio da minha sobrinha.

Mas ainda espero de coração que você fique bem.
<3

Pri Bragança disse...

:*

Versos em bossa Camyli disse...

Blog pessoal tem dessas coisas. jogar nossas "merdas" no ventilador é necessário as vezes o bom disso tudo que quando vc ler isso amanham esse status terá passado... e você vai estar com outros sentimentos melhores (esperamos né) essa é a magia de escrever no blog pessoal.

http://versosebossa.wordpress.com/

Luísa Chaves disse...

O problema (ou qualidade, depende do seu humor) de um blog pessoal é que ele fica "te encarando" e esperando que seja tomado um rumo. É ruim não ter ânimo pra seguir em frente com o blog. É horrível passar por uma crise e querer fechá-lo. E, pior ainda, é péssima essa sensação de "censura" por não poder escrever quantos textos depressivos você quiser.
Então, quer saber? Deixa isso pra lá! Esse foi um ótimo texto depressivo, aliás!
Kombis vão embora, da mesma forma que outros circos chegarão. E, até lá, espero que você esteja melhor!
Gosto muito de te ler, moça! Não nos deixe, por favor! :D
Beijão :*

Thaís ♡ disse...

Poxa vida, acabei de redescobrir seu blog e estou muito feliz, mas seu texto me deixou um pouco triste... Triste porque não quero que você feche o blog e também porque me identifiquei demais e estou na mesma situação.

Comecei meu blog início do ano (depois de umas, sem brincadeira, 5 tentativas no ano passado). Uso o espaço mais para reclamar do que para postar alguma coisa interessante que os outros gostarão de ler, infelizmente.

Mas é sempre bom ter um lugar para "exorcizar" esses momentos depressivos, afinal, escrever é libertador! Espero que continue com o blog e que tudo isso seja apenas uma fase, de verdade.

Postar um comentário