18 de fevereiro de 2014

Assim falou a experiência

A vida, ela está como um fugitivo que se esconde num canto da sala com uma cúpula de abajur cobrindo a cabeça, ou como uma criança atrás das cortinas que deixou os pés de fora, ou como um cachorro no veterinário debaixo da cadeira com o rabo abanando. Ou seja, ela está. Irrevogável. Só que não.

Às vezes, gosto de imaginar Deus como o Nelson Rubens. Sabe? “Eu aumento, mas não invento”! Uma tragédia acontece, um pum atravessa e você reclama. “Eu não me lembro de ter colocado isso aí”, ele diz. “Já estava assim quando cheguei”. O anjo da guarda, a personificação de Rachel Sheherazade, solta suas pérolas no chiqueiro: “Adote um frustrado”! E encerra o dia com uma crônica fascista. Com uma equipe assim, não é de se admirar que a última peça do quebra-cabeças esteja com a ponta torta.

Cansada de chegar aqui só para falar de problemas – por mais que vocês gostem de rir das minhas desgraças tanto quanto eu também gosto de rir das alheias – resolvi tapar o buraco como deu (imagine na Copa). Se nem eu estou interessada no que tenho de resolver, os leitores muito menos. Eu bem que tentei uma ou duas vezes narrar a incrível história do dia em que cortei o dedo, mas admitir que o fiz por distração é a única coisa que consigo, ao invés de culpar a junção da gravidade com a culpabilidade da faca. Porque a faca, infeliz, foi apenas profissional.

A gente segue. Trabalhando, lendo, desencravando a unha, dando banho no cachorro, varrendo o quintal. O Espírito Santo, lá de cima, calha de presenciar um erro judicial bem na hora que olhou para baixo por acaso. O que ele faz? Dá de ombros. Afinal, as injustiças não são fardos do seu setor. O importante é a religião seguir. Com fundamento ou não, o importante é ir sempre em frente, todos e tudo, porque atrás só nos sobrou os mortos. E a morte, essa sim, remediada está.

1 comentários:

Erica Ferro disse...

Pequeno texto, grandes reflexões.
Tanto, que ficarei aqui matutando, com meus botões, sobre as linhas e entrelinhas desse post.

Postar um comentário