2 de julho de 2014

Três da madrugada

As pessoas tem medo de morrer, eu tenho medo de não dormir. Insônia é a pior coisa que pode me acontecer. Não dormir quando se tem oportunidade é um crime. Fico ansiosa, rolando de um lado para o outro, até que me dou por vencida e levanto – é o que fiz dessa vez. Levantei e liguei o computador. Só mesmo a internet para fazer valer a pena. Você está perdoado se ficou acordado para acessar a internet. É uma doutrina que sigo e levo a sério.

Mas por que eu não dormi? Porque estava pensando. É se como eu não pensasse o dia inteiro e, de repente, uma avalanche me acertasse durante a noite. Bom, em vista de algumas atitudes diurnas, é bem provável que eu realmente deixe de usar o cérebro na luz do sol. Sou uma criatura noturna que ama dormir: taí um conflito e tanto.


Eu estava pensando sobre os fones de ouvido. Por que ainda não inventaram nada que os impeça de se enrolar como os cabelos de Medusa? Daí parti para o projeto. É mais difícil do que imaginei. Inventar coisas não é para qualquer um. Infelizmente, pois o que mais tem nesse mundo é qualquer um. Foi frustrante porque meus planos de viver só de renda deram errado antes de começarem. Já pensou? Crio alguma coisa, vendo a patente, ganho milhões, coço a virilha para o resto da vida. Num passe de mágica, eu estava decorando meu novo apartamento. Tinha um busto de Buda e um bonsai de cerejeira. Nunca me dei ao trabalho de ler um artigo sobre bonsai, essa arte que me assusta. Sou caipira demais para compreender, ou aceitar, esse tipo de manipulação contra a natureza. É fascinante, por outro lado. E prático. O cara que inventou isso deve estar coçando a virilha por seis gerações, já.


Pelo menos dessa vez não vou me perder no limbo das pesquisas. Até porque não tenho ideia alguma. Nem sono. E acho melhor desistir dos bonsais – não inventei nada relevante a respeito de funcionalidade acústica, portanto não poderei comprar um. Vou continuar morando no mesmo lugar, bordando, limpando cocô de cachorro, escrevendo crônicas sobre meus vizinhos loucos, enfim. A velha história de fazer limonada. Aliás, sabia que sou alérgica a abacaxi? Não é ridículo?! Tanta coisa para ser alérgica (tipo jiló), mas sou alérgica a abacaxi. E a camarão, também. Eu amo camarão. Lembro se como fosse ontem: eu tinha 17 anos, estava almoçando e quase morri. Por causa da desgraça de um camarão.

A propósito, quando eu estava na Suíça e não sabia muito bem o que fazer para sobreviver sem falar alemão, fui ao supermercado comprar meu almoço. Que perigo havia de ter, não é mesmo? Coca-Cola é Coca-Cola em qualquer lugar, macarrão é macarrão. Comprei os dois, errei no troco, a caixa ficou nervosa, fiquei nervosa, achei que seria presa e deportada. Cheguei em casa, cozinhei muito dona de mim. Só quando comecei a sufocar que percebi algo de errado – repesquei a embalagem da lixeira e... Era macarrão instantâneo sabor camarão. Para uma pessoa sozinha, que não fala o idioma local e não faz ideia do número de emergência, foi mais do que estar próxima da morte. Eu tenho muitas histórias daquela época (e a falta de vontade em contá-las é proporcional).

Vou assaltar a geladeira.

17 comentários:

Camila de Paula disse...

Você deveria ganhar dinheiro com o blog. Aí ao invés de coçar a virilha teria o trabalho de fazer a gente rir com essas histórias sensacionais, mesmo quando são de uma noite de insônia. Aliás, a insônia nunca pareceu tão divertida! hahahaha

Ah... eu adoro esse blog!

Ana Luísa disse...

Del, se você inventasse um fone de ouvido cujo fio não se embola eu JURO que seria uma das primeiras a comprar. Fico boladíssima com essa capacidade desses fios de fone de se enrolarem. Eu guardo perfeitamente enrolandinho dentro da minha caixa, e quando vou pegar 10 minutos depois tem uns 50 nós, como que pode? Esse troço tem vida, não é possível!
E insônia é realmente um saco.
Beijo

umacadeiraporfavor disse...

Também só me acerto de madrugada! Só que ultimamente não tem sido produtivo, tem sido meio depressivo, só consigo ficar pensando as consequencias ruins das coisas que estão por vir.
Enfim, que bom que encontrei seu blog!
Beijos, Carol

Fábio Alves disse...

Tb sou morcego, coruja ou qq outra criatura noturna a q me queiram comparar. Pena q o mundo não se adapta ao nosso ritmo, não é?!? Qto aos fones, se desenvolver um cujo fio não enrole, já pode contar com mais um comprador!!!

May T. disse...

Concordo com a ideia de tu ganhar dinheiro com esse blog! E já que quer inventar algo, desenvolva a cura para a alergia ao camarão, seria bem útil.

Thay disse...

Uns dias atrás li uma reportagem onde cientistas explicavam o motivo dos fios dos fones se enrolarem. Tudo bem que eu já esqueci metade dos motivos, mas existe explicação científica para isso - e se você inventasse os tais fones que não enrolam, certeza que eu compraria uma dúzia (só pra garantir). :D

Plum disse...

Del, você sempre com seus textos lindos. Como eu amo esse blog <3 Enfim, quando tenho insônia geralmente leio um livro, pego no sono umas 5:00h da manhã e tá tudo bem., rs. E essa questão dos fios dos fones se enrolarem é um horror, já joguei muitos fora por ódio mesmo. Quando você inventar um que não enrole, não esquece de divulgar aqui. :)

Bruna Morgan disse...

'Sou uma criatura noturna que ama dormir"
Eu ainda não consegui superar isso ):

meu blog ♥

Mulher Vitrola disse...

Não se sinta sozinha em relação a isso. Memes e tirinhas confirmam que existe uma grande porcentagem da população com este mesmo problema, haha! Eu tenho mil "táticas", mas a mais batata é ver TV. Às vezes demora mais, mas sempre funciona.

Fiquei aflita com sua história do macarrão Oo Mas curiosa para saber as outras!
Um beijo,
Re

gostodecanela disse...

por mais que digam q os fones bluetooth sejam bons eu nunca comprei um, até pq meu aparelho "toca musicas" nao é bluetooh e odeio celular cheio de músicas, ouvir musica só funciona para me curar da insonia é só quando ouço coldplahy baixinho ou norah jones tb, mas por incrível q pareça o q sempre me dá sono é andar de onibus. O onibus e sua aceleração me dão muito sono, o quebra molas, o para-para do engarrafamento...por sorte eu sempre acordo antes de perder o ponto e ninguem nunca ainda tentou roubar minha mochila, mas pra meu azar não posso ficar a madrugada toda rodando de onibus e ate ficar com sono, correr pra casa e dormir..
já q essa historia é mirabolante o suficiente eu sempre fico tentando respirar fundo, olhos fechados, solta a respiração devagar, respira fundo de novo...as vezes funciona e aí pego no sono antes das 3..

Camyli Alessandra disse...

São duas e meia de sábado e eu aqui curtindo a madrugada que tanto estava com saudades.... mas os pensamentos não estão tão produtivos.

Lari Fonseca disse...

Texto incrível! Você descreveu com perfeição toda a linha de raciocínios insanos que tecemos quando o sono insiste em não chegar...

Ultimamente tenho tido ideias para poesias durante minhas insônias. É hilário, sabe, você ficar rolando de um lado para o outro da cama enquanto vai fazendo um emparelhamento de rimas ABBA, ABAB, ou sei lá. A insônia também me inspirou a escrever dois textos, um romântico e outro sarcástico (ironizando o texto romântico — sim, minha suposta esquizofrenia já atingiu o ponto de eu fazer paródias dos meus próprios textos); sei que você não me perguntou, mas de qualquer forma vou deixar o link do segundo aqui: http://blogjeitounico.blogspot.com.br/2014/07/030714.html.

Um fato sobre a insônia que descobri na noite passada (noite esta que passei em claro, mesmo que estivesse muito cansada): você sempre acha que só faz meia hora que está na cama tentando dormir, mas daí olha no relógio e descobre que, tipo, já são cinco e meia da manhã e dali a pouco você tem que acordar...

...acordar? Quero dizer, levantar.

Beijos ♥ Jeito Único

ancoragem disse...

Adoro textos madrugueiros. Pelo menos quando eu os faço, no outro dia de manhã preciso ir correndo ler meu blog pra ter certeza que eu realmente postei aquilo. Geralmente são coisas irrelevantes e que lidas posteriormente se tornam hilárias. Adoro esse tipo de espontaneidade advinda da insônia! E acho que sou como você, uma noturna que ama dormir! Mas, ah... se eu tivesse alergia a camarão seria uma nobre sofredora.
Abraços!

maribocorny disse...

me vi em cada palavra.

quando morei sozinha, eu dormia em ciclos. li em alguma página de curiosidades do facebook que isso fazia bem. dormia das nove até a uma e depois das cinco até as oito. era legal, mas eu não tinha vida social alguma.

Marcelo V. Izquierdo disse...

Não desista dos bonsais. Também estou fazendo pesquisas. Não desista. rs

livroseoutrasfelicidades disse...

Por mais histórias da época da Suíça!

Magda Albuquerque disse...

Insônia criativa véia de guerra, essa. Muito engraçada! kkkkkk...

Conta mais, por favor, pelo bem da humanidade.

Beeeeijo.

Postar um comentário