28 de maio de 2015

O meu pé de romã

Ou: como estou me transformando em minha mãe

Não sei se vocês sabem, mas minha tentativa de cultivar um bonsai não deu certo. Tentei germinar umas sementes de maçã, mas elas não foram para frente. Tudo bem, não vou desistir. A minha vontade de Cuidar das Plantinhas™ está cada vez maior. Até pouco tempo atrás eu não dava a mínima para jardins. Tinha gastura. Hoje, eu sei que os maiores responsáveis por isso foram algumas pessoas de meu convívio, que ao invés de praticarem jardinagem, só acumulavam mato e lixo. Minha mãe, pelo contrário, desde que me entendo por gente vive agarrada numa orquídea, ou bromélia, caçando os pontos ensolarados da casa e comprando suplementos que não sei para que servem.

Pois, estou me tornando a minha mãe. Dizem as más línguas que é inevitável: toda garota, um dia, será a réplica da mãe. Orquídeas ainda não são minhas flores favoritas, no entanto. Estou às voltas apenas com projetos e infinitas pesquisas no Pinterest. Na minha cabeça, já tenho pronta uma horta com morangos, maracujá e hortelã. Açafrão-da-terra, por que não?! E para quem não dava a mínima para as roseiras da casa onde trabalhava, na Suíça, até que meus planos de reproduzi-las aqui, no Brasil, estão bem adiantados.

Quem me acompanha no instagram deve ter notado que estou apaixonada pelo pé de romã, mencionado nesse texto. Minha mãe o trouxe na surdina e o plantou num vaso de gerânios, bem escondido. O bichinho vingou que é uma beleza! Cada brotinho novo é motivo para tirar fotos e escolher o filtro mais bonito antes de publicar na rede social.


Fazer com que esse pé de romã dê certo se tornou uma questão de honra para mim. Preciso ser uma pessoa bem sucedida no setor de jardinagem. Sim, eu acho que são os ecos do meu bonsai frustrado que me impelem, de corpo e alma, a essa dedicação. Tenho de provar a mim mesma que sou capaz, caramba, de manter uma planta viva! O resultado está sendo o surgimento de um amorzinho maternal pelo pé de romã. Todos os dias vou checá-lo para ver se os brotos vingaram, floriram, e se as flores estão firmes para darem frutos – a primeira delas caiu dramaticamente, em câmera lenta, e eu só não chorei porque não achei cabido. Convenhamos.

Minha mãe sempre diz para eu me apaixonar, seja pelo o que for. O importante é se manter apaixonada senão a vida não tem sentido. Quando a vejo organizar as violetas na janela da sala, ou mudá-las para a janela da cozinha porque precisam de menos sol, compreendo exatamente o que ela quer dizer. Há vinte anos estou preocupada e com medo. Nunca me dei ao luxo de me dedicar a algo ou alguém. Eu estava mais preocupada em salvar, ou poupar os outros, do que deixar as coisas funcionarem por si mesmas enquanto eu, simplesmente, doava um pouco de mim. A minha mãe deixa um carinho por todo lugar que passa. É só procurar bem que vou encontrar uma marca dela: as orquídeas que ganharam mais espaço com uma poda discreta da tumbérgia azul, as plantas da minha janela que foram regadas, ou mesmo o pé de romã que surgiu de repente entre os gerânios – ele dará certo, pois é o carinho que quero deixar para o mundo.

E é uma homenagem para a minha a mãe.

6 comentários:

Aline disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aline disse...

Oi! Eu tenho muita coisa para falar. Primeiro: que título lindo. Achei poético e simples, haha. Depois: que pena sobre o bonsai. Tá aí uma coisa que quero ver na blogosfera: alguém bem-sucedido no cultivo dessa plantinha. Outra coisa: eu não sabia sobre seu instagram. Tou agora acompanhando essa saga das plantas e de você se tornando esse lado da sua mãe. A minha gosta tanto de planta que faz vista grossa quando pega um pouquinho de planta na rua, com desculpa de plantar em casa. E não é que sempre dá certo? No apartamento da gente, temos hortelã, e isso é a experiência mais próxima que tenho de comer algo direto da terra. Que triste, não? Ela faz um chá delicioso com as folhinhas. Coisa de filme. Ou de mãe. E ei, adoro tua mãe. Eu ia falar justamente isso que é lindo como você tá se apaixonando pelo romã. “Minha mãe sempre diz para eu me apaixonar, seja pelo o que for. O importante é se manter apaixonada senão a vida não tem sentido.”, QUE LINDA, QUE LINDA! Ai, que lindo post. Me apaixonei :3

Aline disse...

Ah, e só mais uma coisa_ no meu feedly, outra blogueira que me encanta tava falando das plantinhas tbm. Vcs combinaram? :P
https://umacadeiraporfavor.wordpress.com/2015/05/28/a-cara-das-plantinhas/

Beth disse...

ai, sabe que antes eu não dava minima também? hoje em dia eu adoro, mas os meus cactus e suculentas nunca duram muito =/ parece que falta elas se apaixonarem por mim =( maaas eu plantei colleus e está dando super certo, já vejo florzinhas, foi só eu mudar de lugar que elas cresceram lindamente.
ainda falta eu pegar o jeito das suculentas.

o seu pé de roma está lindo ^^ muito vida para ele e para as proximas arvores.

Ludimila disse...

Eu mandei um comentário mais cedo pelo celular mas deu um erro esquisito. o.o

Estou virando tanto minha mãe que quase fui parar no curso de Artes Visuais (ainda quero). Ela me influenciou muito. Desde sempre minha atividade favorita é desenhar e colorir. Não vou fazer AV mas sei que daqui uns anos eu que vou estar com esses livros de colorir. <3

Alessandra Rocha disse...

Que lindo Del! Minha mãe sempre foi a "louca dos matinhos" e o sonho dela era uma casinha com um jardim pra ela cuidar, agora que temos - e ganhamos de brinde um limoeiro lindo! - ela tá realizada, e até meu pai descobriu que tem dedo verde, agora os dois cuidam do jardim, que já tem amoreira, pitangueira, e uma mini hortinha de ervas pros banhos do meu pai... Acho muito legal quem tem esse amor, mas eu não nasci pra isso haha

Espero que o pé de Romã dê muito certo e que fique lindão!

Beijos!

Postar um comentário