3 de fevereiro de 2016

Lidando com o Transtorno de Ansiedade

“Eu deveria voltar à terapia” – é com esse pensamento que me levanto todos os dias de manhã. Meses atrás entrei em depressão e o que achei ser passageiro está durando até hoje e, o que é pior, evoluindo para crises de pânico. Há semanas não saio sozinha de casa, pois passo mal na rua. Ontem sofri um desmaio em casa sem motivo algum. Estou sobrevivendo de medicação e sucos de maracujá, mas nada tem resolvido o problema. Eu não melhoro. Não consigo dormir, tenho vontade de morrer ao acordar e faço tudo à força. A única vontade que tenho é de comer até explodir. 



A depressão é refletida no blog – não consigo escrever textos pessoais como antigamente e não encontro razões para tentar. Eu não quero, e isso é mais forte do que a escritora que me habita (ou que um dia me habitou; talvez ela não tenha sobrevivido). Estou fazendo o melhor possível mesmo que não seja o suficiente na maioria das vezes para as pessoas que me rodeiam. A verdade é que a depressão, quando aparece, tem sempre uma cara nova. Por mais que eu saiba como lidar com ela há novas características que preciso aprender a contornar. Dessa vez, por exemplo, são os desmaios.

O que eu faço? Muito suco natural de maracujá, além dos remédios prescritos pela médica. Por mais que eu odeie tomá-los viro do avesso sem a medicação controlada. Também medito todas as noites antes de dormir, o que costuma ajudar. Não posso dizer que é milagroso e “tiro e queda”, mas me ajuda a controlar o fluxo contínuo de pensamentos desconexos que provocam insônia.




Outra coisa que me ajuda à noite (o pior momento de todos) são aplicativos de ASMR como o “Relaxe Chuva” e algumas playlists que tenho salvas no aplicativo do 8tracks. Minhas favoritas são nature scape, Shakuhachi Shikantaza e The Bodhi Tree. Ligo qualquer um desses dois aplicativos no celular, coloco os fones de ouvido e pratico a técnica 4-7-8



O ideal seria voltar a fazer terapia, mas não tenho dinheiro; e se existe um conselho que realmente vale a pena dar é dizer às pessoas para não irem, jamais, a consultas em psicólogos do sistema público. Tive uma experiência tão horrível com uma psicóloga do SUS, que minha terapeuta particular passou oito meses apenas resolvendo esse trauma, ao invés de começarmos a solucionar meus problemas pessoais. Portanto, fiquem longe desse serviço. É o que eu tenho a dizer. Sei que não sou o melhor exemplo porque estou aqui passando por uma das piores crises, mas acredite: prefiro isso do que passar por aquilo novamente, ou mesmo arriscar.

Eu não acredito que o Transtorno de Ansiedade, a depressão, a Síndrome do Pânico, enfim, tenham cura. A gente aprende a conviver com esses problemas e seus sintomas, é isso. Não há nada de melhor para se fazer. Eu sei que isso vai passar, que daqui há uns meses (ou dias, semanas) vou estar me sentindo melhor e, quem sabe, até “normal”. É possível voltar a sair sozinha de casa, só depende de mim. Às vezes tenho a impressão de que nada que eu faça irá resolver, por outro lado, uma parte de mim sente a força de vontade e de algum jeito se conserta.



As imagens que ilustraram este post são da incrível ilustradora Gemma Correll, que também sofre de depressão e conseguiu representá-la de forma cômica em seus desenhos. Você pode conferir o trabalho dela no site, no Facebook e no Tumblr! E se você sofre de problemas emocionais, não guarde isso para si: converse com as pessoas, escreva um desabafo e seja notado.

7 comentários:

Talita Carvalho disse...

Estava sentindo falta dos teus textos. Força nessa caminhada!

Abraço !

Oh, Laila! disse...

Ataques de pânico? Estou com você nesse barco. Beijos

Gabriela disse...

Também tenho depressão e crises de ansiedade e penso parecido: não tem cura, tem como aprender a lidar. Mas mesmo esse "aprender" é meio torto, a gente está sempre desaprendendo. É diferente de andar de bicicleta, que dizem que uma vez que se aprende não se esquece mais. Escrevi um desabafo sobre isso aqui http://sabordiario.com/depressao-nao-e-drama/ , se quiser ler. É só um convite, por identificação, mas você também pode não ler. Gostei das ilustrações, também curto The Sad Ghost Club, conhece?

Gabriela O. disse...

Oi!

Não te conheço bem, mas conheço o sentimento que você descreveu. Não fui diagnosticada com depressão mas esses sentimos não são tão incomuns para mim, no meu caso é uma questão de "fases", não sei explicar bem. Nunca cheguei a tomar remédio, só pra controlar as terríveis dores de estomago que eu sentia, o que me deixava por dias sem comer (!). Como você disse a gente vai aprendendo a lidar, e não a resolver. Hoje vivo melhor, as vezes sinto esse sentimento se esgueirando, tentando voltar. Já recorri a chás naturais (e não àquelas capusulas mais fortes), meditação, corrida, mas o que mais me ajudou foi a "religião". Não sei se você tem algum tipo de crença, mas faz muita diferença sim.
Não digo o tipo de fé que espetaculiza e aprisiona, mas a fé que te aproxima de Deus e de você mesma. Comecei a orar, a meditar nEle e tudo mais. Tem alguns livros que me ajudaram, se quiser e te interessar podemos conversar.

Beijo ♥.

Alessandra Rocha disse...

Poxa Del, que pesado =/ espero que você consiga melhorar logo, sempre gostei muito do blog e das coisas que vocÊ escreve, é tudo muito sincero e real e eu queria realmente poder te dar um abraço, sei que não resolve muita coisa, mas queria poder te passar uma boa energia rs gosto muito daqui e de você, acho que nunca disse isso! Melhoras :3

um beijo <3

Renata disse...

Oi Del... Eu não sei bem o que te dizer, mas queria que você soubesse que não está sozinha (mesmo que pareça de vez em quando). Estou passando por algo bem parecido e é tão difícil conseguir expôr aos outros que acaba tornando ainda mais difícil conseguir qualquer ajuda... Espero que você fique bem, que consiga lidar com tudo isso e que consiga também voltar para a terapia (eu larguei a minha, me arrependo todos os dias, mas não tenho forças para voltar).
Beijos

Marina Almeida disse...

eu sou uma pessoa muito ansiosa e entendo o que você passa.
sempre sofro por antecedência, tenho que tentar me controlar com a comida, fico triste sem motivos, etc... é muito dificil aprender a conviver com isso. eu tentei tomar remedios mas não me fizeram bem nos primeiros dias então parei. todo dia lido um pouquinho com a ansiedade mas não é fácil
beijão e boa sorte!
www.batomesaltoalto.com

Postar um comentário