16 de abril de 2016

Melancolia

Sim, eu sumi e foi de propósito. Um belo dia me dei conta de que nada mais faz sentido para mim e resolvi me afastar para promover um profundo detox de opiniões. Eu preciso rever meu conceito de redes sociais e como uso essas ferramentas ultimamente; preciso priorizar outras coisas e me joguei de cabeça no trabalho criando assim, novos projetos e metas. O blog, infelizmente, ficou no último dos últimos lugares e confesso que só volto a escrever aqui após muito esforço. Não que eu queira desistir, ou não veja mais razão em mantê-lo. A verdade é que venho perdendo a motivação. Nada do que me cerca parece ser capaz de me salvar.

Enquanto eu dormia, tive um sonho específico que me fez acordar com uma convicção: preciso recomeçar minha vida de onde parei. Uma parte de mim sabe que devo seguir em frente sem olhar para trás, mas no inconsciente existe essa ideia fixa de que tenho o direito de recuperar tudo o que me foi tirado. Desde a minha adolescência, alimento uma mágoa concreta que, sem a menor sombra de dúvida, é o meu principal obstáculo. Por outro lado, sinto que não sei viver sem esse sentimento, que me convence a reconquistar o que me foi roubado, ao invés de construir uma nova realidade.

Eu sofri inúmeras injustiças, que até hoje não foram pagas, ou vingadas. Perto de chegar à casa dos 30 anos, é como se minha vida inteira tivesse sido desperdiçada. Há muitos anos observo o mundo dar voltas, e continuo por baixo. Sabe, uma hora cansa; tanto, que é fácil perder a inspiração e certas vontades. Poucas coisas valem a pena. Cheguei ao ponto de me proibir a tentar novas experiências porque, se der errado, sou capaz de não levantar mais da cama. Ou eu tenho a certeza de que dará certo, ou nem começarei. Para mim, simplesmente não dá mais. Eu cheguei no meu limite. Preciso me reinventar, com urgência.

Preciso de ajuda, também.
Mas aí, isso já é mais difícil de conseguir.

5 comentários:

Oh, Laila! disse...

"Há muitos anos observo o mundo dar voltas, e continuo por baixo."

Muitas vezes tive essa sensação também. Passei por um período difícil que me deixou quase sem chão e várias vezes fiquei pensando no quanto a vida dos outros parecia ser mais fácil que a minha. Hoje o que posso fazer é continuar seguindo, sem olhar para trás.

ps: Eu passei dois anos sem vontade de escrever; se você também estiver desanimada, não se sinta culpa se quiser dar um tempo. A vida fora das redes sociais pode ser bem libertadora.

deisarocha12 disse...

Se você, nesse momento, não consegue escrever ou criar outros posts para o blog, acredito que seja melhor você se da um tempo pra passar por isso, relaxar a mente, se conhecer melhor e acalmar esse turbilhão pelo qual você está passando. Já passei por isso, não conseguir escrever ou fazer nada produtivo, já passei por algumas injustiças ao longo da adolescência, e só lhe digo que só é possível superar quando você abre seu coração para outras coisas e pessoas. É dificil? Com certeza! Confiar nas pessoas, mostrar seu lado humano e frágil, correr o risco de se magoar... É complicado, mas vale a pena. Soa auto ajuda, mas é sincero, de coração, pois já passei e estou passando ainda por isso. Não se force, a sua unica obrigação é ser feliz consigo mesmo. E outra, não questione demais a vida e nem a si mesma, pois nem tudo precisa ser entendido, juro pra você! Só viva

Talita Carvalho disse...

"Uma parte de mim sabe que devo seguir em frente sem olhar para trás, mas no inconsciente existe essa ideia fixa de que tenho o direito de recuperar tudo o que me foi tirado."
(Sei bem o que é isso)
Essa vontade de reinventar é o que nos faz prosseguir.
Li em algum lugar que ás vezes a gente se perde tentando se encontrar. Espero que você se encontre. Encontre força para seguir independente do caminho.
Um abraço baiano pra vc =)

Gabriela disse...

Sobre as redes sociais: eu me senti muito melhor sem o facebook e faz um tempo que não apareço no instagram. Gosto de ter um blog. :)

Sobre os quase 30: eu não tenho esse amor todo pelos tempos de escola e trago muitos ressentimentos da infância e adolescência, então me sinto meio fora da tchurma quando as pessoas são muito saudosas com o passado. Às vezes eu sinto que a culpa foi minha e que, veja só, agora já passou e eu perdi. Dois sentimentos são os mais difíceis pra mim: a mágoa e a culpa.

Apesar de tudo, eu entendo que, pra mim, o passar do tempo só fez bem, porque colocou muita coisa em seu devido lugar de passado. Eu gosto mais de hoje.

Espero que você consiga gostar mais de hoje, Trauti.

Qualquer coisa, estamos aí.
Gabi
(sabordiario.com)

Gabriela disse...

Trauti!

Hoje eu estou boazinha (eeee!) e lembrei de você e fiquei me perguntando como você está.

Como você tá?

Beijo!

Postar um comentário